Há uma direita que quer a civilização? Ou ela aceita Bolsonaro?

'A direita esclarecida sabe, assim como o restante do País, o que o bolsonarismo representa', escreve Marcos Coimbra

Foto: Sergio Lima / AFP

Foto: Sergio Lima / AFP

Opinião

Por culpa de nossa elite econômica, política e administrativa, temos o pior presidente da história e um dos piores chefes de governo do mundo. Ela é responsável pela tragédia que vivemos e cúmplice de Bolsonaro. Falta ainda um ano e meio de seu desgoverno. Tempo demais. Cada dia que passa é um custo pesado, mensurável em vidas perdidas e vidas comprometidas pela pobreza, pela fome e pelas consequências da doença nos sobreviventes.

Essa elite olha a devastação e não vê. Como disse, outro dia, um dos próceres do “Centrão”, talvez comovido pelo dinheiro que Bolsonaro destina à compra de seu apoio: “É o político mais bem-intencionado que conheci desde que entrei na política”. Ou lamentamos o azar do cidadão, que o destino não permitiu que conhecesse uma única pessoa de bem, ou constatamos que lhe falta um pingo de vergonha na cara.

A elite não pode justificar a desinformação. Houve quem votasse no ex-capitão com esperança, acreditando que era uma possibilidade de mudança e temendo escolher alguém contra quem coisas assustadoras eram ditas. Gente do povo, intoxicada pelo que via na televisão, pelo sermão do bispo e confundida pelas mensagens que recebia no telefone, pensou assim. Não teve como conhecê-lo melhor, pois ele se escondeu dos concorrentes na reta final da eleição.

 

 

Mas os ricaços da economia, os chefes militares, a nata do Judiciário, os barões da imprensa e, especialmente, a liderança política sabiam quem era Bolsonaro. Dois anos e meio depois de colocar, por ações e omissões, o ex-capitão no poder, nossa elite se divide em dois grupos. De um lado, aqueles que gostam de ter um desclassificado como Bolsonaro no governo. Querem que ele fique até o fim do mandato e continue por outro, cuja contraparte na sociedade são os basbaques que batem continência para a Estátua da Liberdade do shopping center. Do outro, aqueles que têm consciência do que está acontecendo e do perigo que corremos.

Estes buscam uma candidatura de centro, conversa que circula há tempo nos ambientes da direita esclarecida, horrorizada com a incompetência e a brutalidade do capitão (que, por estranho que pareça, não enxergavam antes). Defendem ser necessário, para um projeto liberal (ou mesmo conservador), moderno, superar a excrescência bolsonarista e consertar seus erros.

Estão certos. Conhecemos o que significa ter um governo desse nível. Escolhas eleitorais não são gratuitas e seu preço pode ser elevado. A direita esclarecida sabe, assim como o restante do País, o que o bolsonarismo representa.

A pergunta é por que então não passam à ação? Se pensam, corretamente, que Bolsonaro não pode vencer em 2022 e que há diversos candidatos à direita que assumiriam sua agenda econômica e administrativa, por que não tomam a providência de tirar logo o ex-capitão do caminho? Não querem um governo liberal com gente competente e um presidente que não seja um cafajeste? O primeiro passo é remover o principal obstáculo ao que buscam, por meio de um processo de impeachment.

Bolsonaro é o problema para essa direita esclarecida, não a esquerda, com seus valores, lideranças e eleitorado. Lula não é o inimigo dos liberais, é apenas seu adversário político. Quem impede que se consolidem novas candidaturas à direita é Bolsonaro, com sua truculência, falta de escrúpulos e disposição ilimitada a jogar sujo. Enquanto permanecer à frente do governo, se utilizará de qualquer recurso para não permitir que uma alternativa a ele se afirme.

Se existe uma direita civilizada, que pensa o Brasil e nossa vida política no médio e no longo prazo, está mais que na hora de ela se engajar no esforço de tirar Bolsonaro do poder. Caso não o faça, não adianta inventar 5, 10 ou 15 candidatos para ver se algum desponta. Com seus 15% de base na sociedade, a chave do cofre e as trapaças de que é capaz, ele vai inviabilizá-los todos.

A dúvida é se há uma direita que quer mesmo a civilização, ou se, diante da perspectiva de uma vitória da esquerda, aceita a barbárie. Para tentar evitar a volta de Lula, que parece hoje quase irreversível, a direita brasileira, como um todo, pode ferir-se de morte. Atrelar-se a Bolsonaro, no longo prazo, é muito pior do que perder mantendo a respeitabilidade e investindo no futuro. Talvez seja um suicídio.

PUBLICADO NA EDIÇÃO Nº1156 DE CARTACAPITAL, EM 6 DE MAIO DE 2021.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Sociólogo, é presidente do Instituto Vox Populi e também colunista do Correio Braziliense.

Compartilhar postagem