Guedes é meio-ministro, mas a ortodoxia continua a reinar

Obras de infraestrutura são a melhor chance de reativar a economia, mas o governo prefere 'esperar mais um pouco'

Ministro da economia, Paulo Guedes. Foto: Carolina Antunes/PR

Ministro da economia, Paulo Guedes. Foto: Carolina Antunes/PR

Economia,Opinião

Aquilo que parecia ser a  melhor chance, sob o governo atual, de o País dar algum impulso à economia, até agora acorrentada à ortodoxia radical, corre risco, entretanto, de nem chegar a decolar, ou de ser mais um voo de galinha.

O plano Pró-Brasil, de investimentos em infraestrutura, anunciado sem números nem projeções pelo ministro-chefe da Casa Civil Walter Souza Braga Netto na quinta-feira 23 e que tem pontos de contato com propostas defendidas há décadas por economistas e empresários comprometidos com o desenvolvimento, conta com a iniciativa privada, mas esta defende que o primeiro passo deve ser dado pelo governo, que hesita.

Durante debate com empresários da construção organizado pela Associação Brasileira da Indústria de Base, o ministro da Infraestrutura, Tarcisio de Freitas, em resposta à indagação do presidente da Construtora Queiroz Galvão, Agostinho Serafim Júnior, sobre de onde virão os recursos públicos necessários ao plano, respondeu:

“Vamos fazer uma aliança público-privada na contratação de 230 bilhões em concessões. Recursos do braço público virão do orçamento geral da União. Há dois exercícios a fazer, primeiro preservar sem cortes o que já temos e segundo, para montar um grande plano de investimento o primeiro pacto que tem de ser feito é a definição de um patamar fiscal, isto é, qual é o nível de endividamento que vou topar para fazer esses investimentos, ou seja, quanto vou conseguir alocar a mais em relação ao que já vinha alocando. (…) Esses exercícios estão sendo feitos todos os dias para enfrentamento da crise, a flexibilização de metas”.

Se nessa resposta o ministro renovou as esperanças daqueles que clamam pela revisão do teto de gastos, na sua segunda afirmação, relatada a seguir, aumentou o ceticismo dos mais reticentes em relação a capacidade efetiva de tomada de iniciativa por parte do governo.

O CEO do grupo CCR, Leonardo Couto Vianna, questionou Freitas: “Há necessidade de recursos no curto prazo. Não seria o caso de usar os contratos atuais de concessões para viabilizar esses recursos no curtíssimo prazo, já que existe mecanismo para isso nesses contratos?”

O ministro foi direto: “Sabemos que tudo aquilo que definirmos em 2020, 2021, só gerará investimento em 2023, 2024, mas fazer investimento nos contratos existentes significa postergar as novas concessões que virão e entendo que novos investimentos não virão. Talvez valha a pena segurar mais um pouco.”

A única concessão de Freitas foi admitir a hipótese de uso do dinheiro dos acordos de leniência para ativar obras paradas, o que, sabe-se, implica enfrentar o emaranhado de conflitos de competência e disputas de poder entre esferas da Justiça e da burocracia do Estado em permanente litígio.

A tomada de posição do ministro choca-se com a versão propalada pela imprensa, de que ele seria favorável à reincorporação de algumas das maiores empreiteiras implicadas na Lava Jato a depender da análise de cada caso.

O anúncio do Pró-Brasil por Braga Netto ao lado de vários ministros, exceto o da área econômica, levou à conclusão inevitável de que Guedes sofreu demissão sem perda de cargo. Essa era a situação real, ao menos até a sexta-feira 24, dia em que as apostas de defenestramento ou pedido de demissão só aumentaram.

A discussão entre o ministro da Infraestrutura e alguns dos maiores empresários da construção do País mostra, entretanto, que a ortodoxia econômica continua hegemônica no governo, associada à aversão ideológica às empreiteiras envolvidas na Lava Jato, apesar de estas serem as únicas com experiência e expertise suficientes para assumir contratos de grande envergadura na área de infraestrutura, necessários a uma retomada capaz de mover a economia adiante.

O governo parece contar, entretanto, apenas com construtoras médias e pequenas, garantia de voo de galinha caso o plano saia mesmo do papel.

Sentindo-se com apenas um pé no estribo, Guedes quis desqualificar o Pró-Brasil dizendo que é um novo PAC, como se o grande projeto de habitações populares e infraestrutura executado pelos governos do PT pudesse ser uma referência negativa. Disse isso antes de reafirmar sua proposta de uma ideia só, conter gastos e privatizar.

Ainda que o governo supere a grave crise político-econômica crônica aprofundada pela saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça e inicie o Pró-Brasil, terá de enfrentar as dificuldades de fornecimento resultantes da destruição da rede de conteúdo local empreendida desde o governo Temer e dependerá muito mais de suprimentos externos, canal hoje abalado pela pandemia, do que antes da operação Lava Jato.

A operação comandada por Moro liquidou a cadeia produtiva de óleo e gás, a maior do País, que incluía as empreiteiras, ao optar por punir, na contramão do que faz o mundo civilizado, não só os autores de malfeitos, mas as próprias construtoras, banidas da esfera da contratação pública por tempo suficiente para asfixiá-las financeiramente e levá-las à falência.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Editor da revista CartaCapital

Compartilhar postagem