CartaCapital

Governador continua a elitização da cultura

Na coluna ObservaDoria, a deputada Isa Penna e a ativista Fernanda Azevedo denunciam Conselho de Cultura criado pelo governador

Depois de duas semanas de polêmica sobre os cortes no orçamento da cultura paulista, o governador João Doria e seu secretário da área, o ex-ministro de Temer Sérgio Sá Leitão, anunciaram, dia 15/4, uma nova composição do Conselho Estadual da Cultura. Com 30 componentes, dos quais apenas três mulheres, o Conselho tem 15 representantes do governo e – diz a grande mídia – 15 da “sociedade civil”. Detalhes: desses ilustres homens da civilíssima sociedade frequentada por João Dória, pelo menos 11 são empresários do setor de cultura, de eventos ou de entidades empresariais.

Foi o sinal definitivo que Doria leva à prática uma versão aprofundada da concepção do PSDB,  visão empresarial, elitista, privatizadora e marqueteira, que vê nas atividades artísticas e culturais não um direito a garantir, mas mais um espaço a aferir lucros e encantar plateias endinheiradas. Uma visão que, além de render muitos milhões a poucos, reduz as atividades artísticas a ferramenta estéril, que reforça a já embolorada colonização do pensamento.

Trata-se da cereja do bolo de más notícias no âmbito cultural para o povo de São Paulo.

Senão, vejamos, enquanto a arrecadação de impostos impulsionou um crescimento no orçamento de SP de 81% de 2010 a 2019 (de R$ 140 bilhões para R$ 260 bilhões), no mesmo período a verba para a cultura teve uma redução de mais de 50% (levando em conta os possíveis contingenciamentos do governo Dória). Se não é de hoje a privatização da gestão das verbas públicas da cultura, a novidade é que nem mais a verba deve vir do poder público. A maior parte do incentivo à produção cultural estará submetida às “parcerias” com a iniciativa privada (a mesma lógica que aplica aos parques públicos, hospitais, escolas).

João Dória tentou destruir a cultura na cidade de São Paulo quando foi prefeito. Começou contingenciando 43,5% do orçamento da SMC, promoveu o desmonte de programas de formação, atacou projetos de criação artística, paralisou o Fomento ao Teatro, promoveu cortes e precarizações. Acinzentou a cidade. Agora, como governador, brinda os trabalhadores da arte e da cultura, e toda a população que dela usufrui, com uma ameaça de contingenciamento de 23%.  A Secretaria de Cultura passaria a receber parcos 0,34% do orçamento estadual. Muito longe da meta de 1,5%, sugerida na PEC 150, prevista no Sistema Nacional de Cultura.

Após pressão popular e de alguns prefeitos, Dória (como assim faz Bolsonaro) voltou atrás em relação ao cortes de alguns projetos, como o Guri, e lançou um video ambíguo prometendo que as atividades e projetos não vão parar e os espaços culturais não fecharão portas. Como ele vai equacionar a diminuição das verbas com a execução das ações prometidas não está explicado. Sabemos bem que este contingenciamento pode acabar com mais de 500 empregos e afetar o funcionamento de 23 equipamentos de cultura. Milhares podem deixar de ser atendidos por estes serviços.

O que a população de São Paulo, em particular os mais pobres, necessita, é de mais verba pública e mais programas culturais à altura dos nossos desejos de realização humana e necessidade de lazer e formação. É possível impedir cortes em área de tão pequenos gastos, se o governo deixar de isentar os impostos de grandes grupos empresariais.

Precisamos de um Fundo Estadual de Cultura, composto com parcela dos impostos dos mais ricos, regulamentado e funcionando através de leis, editais e iniciativas transparentes, desburocratizadas, democráticas, inclusivas e com continuidade. Precisamos de um Conselho Estadual de Cultura verdadeiramente democrático, com participação de homens e mulheres em igual proporção, com participação de negros, caiçaras e indígenas, com composição majoritária de artistas e gestores de equipamentos culturais de centros, interior e periferias.

Um Estado com a importância política, econômica e a diversidade cultural como São Paulo não pode ter sua atividade artística e cultural estrangulada. A cultura ajuda a imprimir nossa identidade, embala nossos sonhos, prepara nosso espírito e nossas mentes para sermos mais do que máquinas, para pensarmos por conta própria e inventarmos um mundo muito melhor do que este em que vivemos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!