É questão de tempo para o Brasil se livrar de Bolsonaro. Seja pelo impeachment, seja pelo voto

Que ninguém se engane: o ato golpista de 7 de Setembro teve método e não foi apenas um desatino de meia dúzia de pessoas

(Foto: Gilson Teixeira)

(Foto: Gilson Teixeira)

Frente Ampla

O Brasil viveu, na semana do último dia 7 de Setembro, uma tentativa de golpe, estimulado pelo próprio chefe da nação, e que só não prosperou porque instituições como o Supremo Tribunal Federal barraram os planos e as ações dos golpistas. Formou-se uma verdadeira frente ampla para fazer a contenção institucional dos manifestantes e seus patrocinadores que invadiram a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, com ameaças e violência.

Que ninguém se engane: o ato golpista teve método e não foi apenas um desatino de meia dúzia de pessoas. Empresários e caminhoneiros, por exemplo, iniciaram uma paralisação para bloquear rodovias em várias partes do País e se recusaram a deixar a capital federal. Eles não foram adiante com a sabotagem porque Jair Bolsonaro foi obrigado a negociar um recuo, ao divulgar uma carta, escrita pelo ex-presidente Michel Temer, para baixar a temperatura que ele mesmo elevou.

O presidente seguirá tentando intimidar o STF, para barrar inquéritos e processos contra os seus familiares e apoiadores, e buscará deslegitimar o Tribunal Superior Eleitoral

Preferiria estar errado, mas não vejo sinceridade no conteúdo daquela carta divulgada pelo Palácio do Planalto. A mensagem carece de consistência. Espero que se mantenha um clima de trégua pelo maior tempo possível nas próximas semanas – o que é bastante improvável, dado o histórico dos milicianos e fanáticos.
O problema do Brasil é que Bolsonaro é viciado na estratégia de guerra permanente contra as instituições e a sociedade. Para usar a linguagem militar, não há mais a separação entre os tempos de paz e os de conflito. Resultado: a população brasileira está pagando um preço altíssimo com os erros na coordenação nacional sobre a pandemia, a volta da inflação, os 14 milhões de desempregados, o aumento do número das pessoas na pobreza, a destruição ambiental e o fraco crescimento da economia.

Em dois anos e oito meses de gestão, o presidente da República jamais apresentou um projeto para resolver os problemas do País. A única preocupação é manter o ambiente político conflagrado à espera das eleições presidenciais de 2022. Até lá, a travessia tende a ser bastante turbulenta, pois o presidente se vê a caminho de uma derrota, manifesta temor de ser preso e mantém uma base radicalizada de apoiadores.

A campanha presidencial deverá ser conflagrada pelo extremismo, puxado pela extrema-direita, que se recusa a seguir as regras democráticas. A situação brasileira de hoje é bastante semelhante à do nazifascismo europeu dos anos 1930. O método, a linguagem e a ideia de eliminação de inimigos são os mesmos, agravando-se tudo com o uso intenso da internet.

O presidente seguirá tentando intimidar o STF, para barrar inquéritos e processos contra os seus familiares e apoiadores, e buscará deslegitimar o Tribunal Superior Eleitoral. Destaco que, mesmo havendo críticas de alguns quanto ao ativismo do Judiciário, até agora o Supremo mais acertou do que errou.

O apoio político ao presidente resume-se atualmente a grupos minoritários na sociedade, em setores como Forças Armadas, Polícias Militares e o agronegócio. Mas não se trata de maiorias em tais segmentos. Não poderemos baixar a guarda daqui para a frente, até a posse do próximo presidente em 2023. É temerário não reagir contra aqueles que trabalham abertamente para uma ruptura da democracia, como se viu na tentativa fracassada de 7 de Setembro.

O governo conta ainda com uma base parlamentar considerável no Congresso Nacional, que passou a controlar, de modo inédito, o Orçamento da União e a sua execução. Esse grupo de apoio impede a instauração do processo de ­impeachment contra o presidente da República. Mas será difícil manter o apoio, em 2022, de senadores e deputados que estão vendo os estragos do desgoverno federal em seus estados, a exemplo da destruição de rodovias federais.

Temos, assim, um paradoxo: lamentamos que tenhamos um presidente antidemocrático e antinacional, mas, ao mesmo tempo, celebramos que o golpe de 7 de Setembro fracassou. Nosso esforço deve ser para que o máximo de setores promova uma união em defesa da Constituição. E que os políticos voltem a cuidar da vida concreta da população, massacrada pelas crises sanitária e socioeconômica. Devemos, por exemplo, cobrar do governo federal medidas efetivas contra a inflação. Chega da tentativa ridícula de transferir responsabilidade aos governadores, em intermináveis bravatas de “cercadinhos”.

Os governadores estão abertos ao diálogo com todos os Poderes do País e os diversos setores da sociedade. Inclusive, pedimos um encontro com o chefe do Executivo Federal, mas nem resposta houve. Graças a Deus, é questão de tempo para o Brasil se livrar desse estorvo, seja pelo impeachment, seja pelo voto nas urnas.

PUBLICADO NA EDIÇÃO Nº 1175 DE CARTACAPITAL, EM 16 DE SETEMBRO DE 2021.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Governador do Maranhão. Foi juiz federal e deputado federal. É professor da UFMA

Compartilhar postagem