A crueldade diante do sofrimento do povo precisa ter limites

No atual contexto, sediar a Copa América assemelha-se ao Baile da Ilha Fiscal e à orquestra dos náufragos do Titanic, escreve Jaques Wagner

Foto: EVARISTO SA / AFP

Foto: EVARISTO SA / AFP

Frente Ampla

O Baile da Ilha Fiscal é um acontecimento da história brasileira. Foi a última grande festa da monarquia, antes da Proclamação da República, em novembro de 1889. A comemoração contou com milhares de convidados, segundo os registros, e ocorreu alheia à iminente queda do regime, que seria sacramentada seis dias depois. Mais recentemente, o cinema norte-americano retratou algo semelhante. No premiado filme Titanic, assistimos a uma banda que segue tocando diante do caos de um grande navio afundando, sem que houvesse botes para todos os passageiros.

Podem parecer acontecimentos muito distantes, mas, em tempos distópicos, essas referências se mostram atuais. Em que pese não estarmos passando por uma queda de regime nem por um naufrágio (não literalmente), vivemos hoje as dramáticas consequências da pandemia.

E, enquanto isso, temos um presidente que nega a ciência, promove aglomerações, desrespeita medidas sanitárias, receita medicações sem eficácia, despreza vacinas e, numa prova de que tudo que é ruim pode piorar, coloca o Brasil à disposição de um torneio internacional de futebol.

A Copa América – que, nas redes sociais, rapidamente virou “Cepa América” ou “Cova América” – foi recusada por Colômbia e Argentina. Essa última desistiu de sediar a competição devido ao avanço da Covid-19 no país. Com perto de 45 milhões de habitantes, a Argentina registrou mais de 3,7 milhões de casos e 78 mil mortes. Enquanto isso, o Brasil abre suas portas diante de um cenário com mais de 16,5 milhões de casos e quase 500 mil mortes.

 

 

Seria cômico, se não fosse trágico. O governo levou nove meses para responder à oferta de imunizantes da Pfizer, colocando enormes entraves políticos e burocráticos que resultaram na paralisação, por três meses, da compra da vacina produzida pelo Instituto Butantan em parceria com o laboratório chinês Sinovac. Segundo cálculo do epidemiologista Pedro Hallal, divulgado pela Folha de S.Paulo, poderíamos ter evitado 80.300 mortes até maio com o quantitativo de CoronaVac desprezado em 2020.

O resultado é que temos menos de 11% da população vacinada com as duas doses recomendadas. Mas esse mesmo governo que caminhou a passos de lesma para adquirir vacinas, correu mais rápido que o ídolo Mané Garrincha na histórica Copa do Chile, em 1962, para, em poucas horas, se tornar a sede da Copa América, 13 dias antes do início da competição.

A justificativa de que o evento será sem público nos estádios é falsa, criada para explicar o inexplicável. Serão dez seleções, incluindo comissões técnicas, que chegarão ao País sem tempo hábil para realização de quarentena. Além disso, eventos dessa magnitude exigem reserva de leitos hospitalares para atletas. Temos ainda a estrutura de segurança pública mobilizada para garantir apoio às delegações. Para completar, em alguns estados, como a Bahia, os estádios hoje sediam hospitais de campanha e postos de vacinação. Isso, sem contar com a incontrolável circulação de torcedores das seleções de países vizinhos ao nosso. Vimos essa movimentação quando sediamos a Copa do Mundo, em 2014, e a Copa América, em 2019.

A atitude irresponsável dos terraplanistas que hoje ocupam o Palácio do Planalto contrasta com a disposição de sediar outros eventos internacionais relevantes, mesmo antes da pandemia. Em 2018, logo após ser eleito, o presidente da República recomendou ao Itamaraty que não fosse realizada no Brasil a Conferência do Clima da ONU, a COP 25. O evento migrou para a Espanha e reuniu autoridades do mundo todo para debater a emergência ambiental que vivemos. As práticas do governo brasileiro explicam, porém, o desinteresse: é incompatível receber governantes para discutir meio ambiente quando se promove a destruição do nosso patrimônio natural.

Somos o país do futebol e nos orgulhamos de ter o esporte como diversão que encanta a nossa gente. O que não podemos, diante de tanta dor e sofrimento, é desprezar o momento de crise sanitária e social que vivemos. Tudo o que não precisamos é de um evento deste porte, que pode ser o gatilho de uma terceira onda de contágio. A disseminação de variantes ainda desconhecidas do vírus pode jogar pelo ralo os esforços feitos até aqui.

Diante desse quadro na saúde pública, do recorde de desemprego e desalento a atingir 21 milhões de brasileiros, da volta da fome e da carestia, a Copa América transforma-se no Baile da Ilha Fiscal ou no Titanic dos atuais tempos. Não podemos permitir que isso se concretize. A crueldade diante do sofrimento do povo precisa ter limites.

PUBLICADO NA EDIÇÃO N° 1160 DE CARTACAPITAL, EM 3 DE MAIO DE 2021.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Senador (PT-BA). Foi governador da Bahia (2007-2015) e ministro do Trabalho (2003-2004), Defesa (2015) e Casa Civil (2015-2016).

Compartilhar postagem