Deixe a porta aberta para decisões e oportunidades

Na série Duetos da coluna Diretoria Preta, Silvia Maria e Hasani Santos escrevem a partir da música de sucesso de Bruno Mars e Anderson Paak

Deixe a porta aberta para decisões e oportunidades

Cultura,Diversidade,Opinião

A escritora Toni Morrison disse certa vez que se via como uma jazzista, que pratica incessantemente a arte de inventar e imaginar, fazendo sua escrita parecer sem esforço e graciosa. Já o escritor James Baldwin disse que a música é nossa aliada e testemunha. A partir do ritmo musical a história se torna uma vestimenta que compartilhamos e usamos, e o tempo, por sua vez, será nosso amigo. A música para Baldwin é uma constante que nos lembra do que fomos e daquilo que aspiramos.

A importância desta série de artigos composto em “duetos” é pensar a música como um retrato da sociedade – especialmente nesse momento de pandemia, a música tem sido companheira das horas, de nossos dias e noites. A composição em forma de dueto é uma metáfora que trazemos através de uma conversa entre mãe e filho, que pode ser um antídoto para a solidão nesse atual momento pandêmico, em que o melhor que podemos fazer é manter as medidas de distanciamento social, mas procurando nos aproximar de outras formas.

Pedimos licença para nos aproximarmos a partir desse texto, nos afastando dessa sensação de estar “solo” que a pandemia e as medidas têm surtido em muitas pessoas. O eixo que guiará essa reflexão é a canção “Leave the Door Open” de Bruno Mars e Anderson Paak, que deu o que falar na noite da premiação do Grammy. Para tanto, traremos uma reflexão sobre a pandemia e o distanciamento social, pois o que queremos realmente é “deixar a porta aberta”, mesmo quando estamos distantes.

 

Para mim, Silvia, a canção trouxe à tona memórias de vivências da juventude, a ponto de me impulsionar a ouvir o dia inteiro e dançar pela casa, me sentindo jovem e emocionada.  Fiz parte da geração de jovens negros que se descobriu bonita e potente inspirada pelo forte movimento musical da Montown Records e artistas como Marvin Gaye, Stevie Wonder, Diana Ross, Aretha Franklin, dentre outros. Não me surpreendi ao descobrir que foi essa a fonte para Paak e Mars. O figurino, coreografias, melodia e toda produção está repleta do que aprenderam com as referências antigas, que agora renascem com potência, mantendo vivo o passado no tempo presente.

Para mim, Hasani, a mesma canção representa muito mais que um convite amoroso musicado para alguém desejado e que exala um certo sex appeal. Ela pode ser um documento histórico desse momento de pandemia que aponta para possibilidades de trocas e aprendizagens mútuas entre as pessoas. Ela também pode ser um material que aproxima gerações diferentes, como aconteceu com minha mãe e comigo, a ponto de nos dispomos a ouvir o que a canção trazia de novo e de antigo para relacionarmos com esse presente momento de crise no sistema de saúde e total falta de comprometimento do Governo Federal em lidar com a situação.

Em tempos de obscurantismo e desgoverno em torno das políticas de combate a pandemia e suas consequências, a negação das comprovações do conhecimento científico tem elevado diariamente a taxa de infecção e mortes, muitas vezes de pessoas que insistiram em manter “a porta fechada” para as medidas preventivas e até mesmo para a letárgica vacinação. A arte em forma de música vem, de forma graciosa e sem esforço, nos lembrar de que é preciso olhar para as referências do passado e extrair aprendizados para o presente.

Na série duetos da coluna Diretoria Preta, Silvia Maria e Hasani Santos analisam a partir de duetos na música.

Em um passado não distante, doenças como a varíola, sarampo e tétano também tiraram a vida de milhares, assim como a poliomielite marcou com a deficiência, corpos de crianças antes da descoberta de uma vacina. Hábitos de higiene que aprendemos quando crianças, como a simples lavagem das mãos, a pandemia mostrou que permanecem negligenciados pela população no país. O genocídio do passado pode ser repetido como um ciclo perverso se não houver acesso universal à saúde e garantia do direito ao saneamento básico como premissas fundamentais para o combate dessa pandemia.

É importante em momentos terríveis como esse, saber que temos alguém para amar e estar próximo, mesmo que em pensamentos e memórias. Os dois últimos anos (2020 e 2021) têm sido terríveis em termos de perspectivas de um futuro mais ameno, perdemos amizades, familiares, colegas e amores que faziam parte de nosso dia a dia, mas é primordial não nos deixar sucumbir em meio a tamanha tragédia, porque é preciso assumir responsabilidades com quem vem depois, assim como pelos que se foram.

Para nós, a metáfora da canção de “deixar a porta aberta”, mesmo quando o contexto recomenda que “fiquemos em casa”, traz justamente a contradição que está na origem da palavra “crise”, ela pode ser um momento difícil, mas também de decisão e oportunidades. Nós sabemos que as oportunidades necessitam de portas abertas, como por exemplo um auxilio financeiro que não seja apenas, emergencial, mas sobretudo primordial e constitucional, tal como o disposto na Lei nº 10.835/2004 de autoria de Eduardo Suplicy, que instituiu a Renda Básica Universal, mas não é cumprida.

A música durante séculos é nosso abrigo e nos mostra que não estamos sós, pois os sentimentos contidos nela nos unem, como diz a letra desta canção que nos inspirou: “That you feel the way I feel”. Próximos ou distantes, a certeza de que existe “alguém que também sente o que sentimos” nos acompanhará, como aconteceu conosco aqui em casa, em uma noite de verão de domingo.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Pedagoga com 30 anos de experiência na área da Educação no município de São Paulo. Foi Coordenadora Pedagógica, Supervisora Escolar 10 anos. Supervisora Técnica por 4 anos. Diretora da Divisão de Normatização Técnica da Secretaria Municipal de Educação.

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal de São Carlos, membro o grupo de pesquisa Transnacionalismo Negro e Diáspora Africana e do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros (NEAB – UFSCar). Email para contato: [email protected]

Compartilhar postagem