Maria Rita Kehl

Opinião

assine e leia

Cruel hipocrisia

Moralistas acrescentam, ao drama de quem não pode levar a termo uma gravidez, uma carga de culpa que essas pessoas não merecem carregar

Ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, e dos secretários da Pasta - Foto: Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O psicanalista Jacques Lacan certa vez escreveu que a pior forma de se praticar um mal é sob a alegação de que ele é feito em nome do bem. “Trata-se do bem de quem mesmo?”, indagou o genial provocador. Lembrei-me dessa passagem ao evocar a perseguição cruel que a tenebrosa ministra dos Direitos Humanos de Bolsonaro empreendeu ao tentar impedir o aborto legal em uma criança de 10 anos de idade. A menina havia engravidado em decorrência de um estupro sofrido nas mãos de algum familiar “cristão”. Evangélica, Damares Alves achava-se imbuída da missão divina de salvar uma vida humana. A do embrião, claro. Nem lhe passou pela cabeça defender a mãe, que, por ser muito jovem, correria o risco de morrer no parto.

Já escrevi em defesa da descriminalização do aborto no ensaio “Hipocrisia”, incluído no livro Tempo Esquisito, que reúne textos escritos durante a pandemia de Covid-19. Nesta coluna, espero avançar um pouco em meus argumentos, não a favor do aborto, e sim das gestantes que sentem premência em interromper a gravidez. Que mulher se sente feliz ou realizada ao interromper uma vida, por mais minúscula que seja?

Este texto não representa, necessariamente, a opinião de CartaCapital.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.