Opinião

Consequências da pandemia para os técnicos e auxiliares administrativo das escolas

Neste período de crise, esses trabalhadores, que são sujeitos do processo educacional tal como professores e estudantes, são invisibilizados

Créditos: EBC
Créditos: EBC

Por João Batista da Silveira

Muito se tem apontado sobre as dificuldades educacionais durante esse período de calamidade pública e emergência sanitária, sobretudo no que toca a professores e estudantes. De um lado, a imensa sobrecarga de trabalho e o esgotamento emocional a que estão submetidos os docentes em meio às exigências das atividades pedagógicas remotas, à cobrança de pais e responsáveis sobre o conteúdo ministrado on-line e à pressão de escolas que tratam a educação como mercadoria e o aluno como cliente, ignorando que o papel da educação, mais do que instrução, é também o de construção de cidadania.

De outro, as inúmeras dificuldades de adaptação e acesso dos estudantes, forçados a dar conta dos estudos e das avaliações num momento de desamparo emocional e psicológico que, se atinge com força os adultos, deve ser ainda mais difícil de compreender e lidar para crianças e adolescentes. E isso falando de uma realidade muito específica do setor privado, sem adentrar nos perversos ataques à escola pública e na grave desigualdade educacional — com todas as formas de exclusão: digital, infraestrutural, cognitiva, institucional… — que espelha o abismo socioeconômico no Brasil.

A educação, contudo, é erguida sob um tripé. Docentes e discentes são dois pilares fundamentais, é claro, sem os quais não estabelece uma relação pedagógica, mas sem o terceiro apoio não há qualquer base que se sustente. Trata-se, nesse caso, dos trabalhadores técnicos administrativos que atuam nas instituições de ensino e que são responsáveis por orientar, organizar, registrar, sistematizar, registrar, documentar, enfim, permitir o funcionamento não apenas administrativo, mas estar a par de tudo o que acontece numa unidade escolar. Sem eles não há ensino escolar possível, porque não existem condições de uma escola funcionar decentemente — e ainda continuar funcionando de forma remota nestes tempos difíceis.

 

A despeito dessa importância, já escrevi aqui neste mesmo espaço que falar sobre a formação ou identidade de uma categoria é mais fácil quando esta é detentora, além da carreira, de um efetivo programa de formação inicial e continuada. E esse segue não sendo o caso dos auxiliares de administração escolar ou técnicos-administrativos, categoria plural e heterogênea, cujo próprio nome serve como uma espécie de guarda-chuva a cobrir “todo o pessoal que trabalha em escola privada e não são professores”. Muitas vezes não se consegue cobrir todos; em inúmeras situações , ao contrário, muitos desses trabalhadores são deixados a descoberto na tempestade e completamente à deriva.

Não é de hoje que a contribuição dos trabalhadores técnico-administrativos em educação tem sido considerada de forma secundária dentro das instituições, encarada apenas como atividade-meio necessária para atingir os fins do ensino (e também na pesquisa e na extensão, no caso de universidades, centros universitários, faculdades e afins). O auxiliar de administração escolar sofre constantemente, como apontou o pesquisador Arthur Schlunder Valle na dissertação “Trabalhadores técnico-administrativos em educação da UFMG: inserção institucional e superação da subalternidade”, uma “perda de referenciais de inclusão no cotidiano institucional”, que faz com que “seu trabalho não tenha, um significado tangível, não percebendo uma relação objetiva e causal entre o que fazem o os objetivos institucionais”.

Embora a análise de Schlunder Valle diga respeito a uma categoria de servidor público dentro de uma universidade federal, esse sentimento de exclusão também é sentido pelos técnicos administrativos que atuam no setor privado. E agora, neste período de crise, esses trabalhadores, que são sujeitos do processo educacional tal como professores e estudantes, são mais uma vez invisibilizados.

Em nenhum lugar se apontou que, embora as escolas estejam fisicamente fechadas, sua manutenção continua sendo feita; ou que, para que as aulas remotas aconteçam de maneira satisfatória, o suporte técnico se faz necessário; ou que, para que estudantes, pais e responsáveis façam suas queixas ou tirem suas dúvidas, as secretarias e os serviços de atendimento seguem funcionando por e-mail ou telefone; ou que, para que os professores deem suas aulas de forma remota, um planejamento pedagógico precisa continuar sendo discutido com e seguido por toda uma equipe.

Tampouco se tem discutido na mídia ou em qualquer outro espaço público, fora das entidades sindicais que representam esses trabalhadores e lutam por seus direitos, que, entre exigências por redução de mensalidades e escolas alegando queda em suas receitas, são esses os profissionais mais afetados pelas reduções salariais e suspensões contratuais permitidas a partir da Medida Provisória 936. Mas é preciso que se discuta, porque esse também é um impacto trabalhista sério e que reverbera diretamente no direito constitucional à educação.

*João Batista da Silveira é secretário de ensino, advogado, professor de História e membro das diretorias executivas da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino (Contee), da Federação Sindical dos Auxiliares de Administração Escolar no Estado de Minas Gerais (Fesaaemg) e do Sindicado dos Auxiliares de Administração Escolar de Minas Gerais (Saaemg)

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!