Com a epidemia, Letrux vive “luto” de não ter trabalhado novo álbum solo

Letrux aos Prantos reforça uma artista inventiva-sentimental

Créditos: Ana Alexandrino/Divulgação

Créditos: Ana Alexandrino/Divulgação

Opinião

O segundo álbum solo da cantora, compositora e poeta Letícia Novaes, a Letrux, que chegou a lançar no passado outros três trabalhos quando fazia duo com Lucas Vasconcellos no Letuce, revela uma artista em permanente busca de novos estímulos.

Ao lançar Letrux aos Prantos, projeto da Natura Musical, com 13 faixas, ela impõe seu lado inventivo-sentimental sem freio, mas bem executado musicalmente e, por isso, denso e sonoro.

O álbum tem participações das cantoras Liniker e Lovefoxx, do grupo Cansei de Ser Sexy, e do saxofonista Lucas de Paiva. A produção é de Arthur Braganti e Natália Carrera, que também fizeram o primeiro e ótimo trabalho solo dela.

A diferença conceitual em relação ao seu álbum solo de estreia, Letrux em Noite de Climão (2017), reflete suas buscas constantes.

“O Climão foi um apanhado de uns cinco anos da minha vida e o Aos Prantos é um apanhado mais recente. O Climão foi uma pista de dança confusa, com ex num canto, flerte no outro, loucuras, caos. Aos Prantos é mais uma banheira de hotel, piscina da casa de amiga, mar macio num domingo, ressaca braba na segunda”, define Letrux.

Novo single

A cantora afirma que nesse período de isolamento social por conta do coronavírus não conseguiu compor nada, mas não tem se cobrado por isso.

“Estava muito focada no lançamento (Letrux aos Prantos), então ainda estou vivendo um certo luto e frustração com a mudança dos planos. Há de ter ‘live’ (uma já aconteceu), mas estamos vendo a melhor opção, já que essa pode ser a única maneira de tentar ganhar algum cachê no momento”.

O segundo álbum estava pronto para ser apresentado pela Letícia Novaes, mas os shows de lançamento agendados tiveram que ser todos cancelados ou adiados por conta do isolamento social.

Um single do álbum já havia sido lançado. Trata-se da faixa Déjá-Vu Frenesi (Letícia Novaes). Agora virá um novo clipe, dessa vez com a música Eu Estou aos Prantos (também só dela).

Em tempo de pandemia, afirma estar “alarmada com o trato do nosso governo com a pandemia” e a diferença com outros países.

“A postura do presidente ao dizer que ele é a constituição, que os coveiros que se preocupem com os mortos, tudo isso me choca e me deixa bem triste. Inadmissível um presidente ter esse tipo de postura. Fico realmente preocupada com o futuro”.

Como imagina que poderá ser a retomada de seu trabalho, pós-epidemia, diz não fazer ideia.

“Uns dizem que shows só em 2022, depois falam que em setembro já tem vacina. Tento viver um dia de cada vez para evitar ansiedade. Não quero criar expectativas, se elas podem ser frustradas mais uma vez. Não sei o que imaginar agora, mas talvez isso seja melhor”, conclui.

Este texto não reflete necessariamente a opinião de CartaCapital.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Jornalista há 25 anos, com passagem em diversas editorias. Foi produtor musical e escreve sobre música desde 2014.

Compartilhar postagem