Opinião

Bolsonaro governa para o andar de cima

O que hoje ocorre em nosso continente deve estar sugerindo alguma reflexão a quem ainda está disposto a pensar no futuro do País

O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)
O presidente Jair Bolsonaro (Foto: Marcos Corrêa/PR)

A concentração de renda no Brasil só perde para a do Catar, um emirado do Oriente Médio dominado por uma monarquia absolutista islâmica, sustentada pela exportação de petróleo e gás natural, com uma população em torno de 1,9 milhão de habitantes, dos quais apenas 250 mil são nativos. O restante da população é formada por estrangeiros. Protetorado britânico até 1971, é, hoje, a sede do Comando Central militar dos EUA na região.

Nada, portanto, que nos sirva de exemplo. Mas temos muito de Catar. A parcela dos 1% mais ricos do Brasil concentra quase 30% da renda nacional, e os 10% mais ricos ficam com 42% da renda total do país. E ninguém cora!

Segundo o PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, somos, em queda desde 2017, o 79º país do mundo em desenvolvimento humano e bem-estar da população (avaliados com base nos indicadores de saúde, educação e renda).

Chega a 23 milhões o número de desempregados, subempregados e desalentados (aqueles que desistiram de procurar emprego). Constam como “auto-empregados” 24,4 milhões de brasileiros, dentre eles um número incontável de motoboys, uberistas e equivalentes, novos tipos de trabalhadores sem trabalho e salário fixos, sem carteira, sem vínculo empregatício de qualquer sorte, sem profissão e sem vida sindical, sem proteção social, sem aposentadoria, multidões que engrossam os exércitos de reserva urbanos (mas sentindo-se, eis a cruel ironia, donos do seu nariz), um subproletariado incapaz de se representar politicamente.

O responsável por essa miséria não é o subdesenvolvimento, mas a concentração de renda, ou as desigualdades sociais inerentes à nossa experiência de capitalismo predatório que vai sendo acentuada pelo bolsonarismo, a diabólica associação do neoliberalismo bárbaro com o autoritarismo.

 

Não há desenvolvimento se não há aumento da renda per capita, já nos ensinava, décadas passadas, o mestre Celso Furtado, e mesmo essa renda nada significa se não vier acompanhada de sua redistribuição. O caso brasileiro de hoje é dramático: cai a renda per capita e aumenta a concentração de renda. Realiza-se o sonho do neoliberalismo, que não deu certo em nenhuma parte do mundo e que, experimentado no Chile, deu no que deu. Na Argentina levou o país à bancarrota.

Não somos pobres, mas ricos e injustos, um país com uma minoria de endinheirados e multidões de pobres cujas expectativas não atendidas crescem tanto quanto a impaciência que um dia, sempre inesperadamente para os príncipes, irrompe como explosão social. O que hoje ocorre em nosso continente deve estar sugerindo alguma reflexão a quem ainda está disposto a pensar no futuro do país que, sob o bolsonarismo, adotou como regra o assalto à razão.

Somos uma sociedade dividida em classes e o Estado está a serviço da classe dominante e dos estamentos a serviço da estrutura de poder, onde pontificam os príncipes: juízes de um modo geral, procuradores em sua maioria e os membros dos diversos ministérios públicos, bem como os militares, desde sempre, mas agora mais do que nunca.

Depois da segunda reforma trabalhista (há a do Temer e há, em marcha continuada, mediante projetos de lei, e, até de medidas provisórias, a do capitão), e imediatamente após a perversa reforma do sistema previdenciário público, o governo anuncia uma reforma administrativa draconiana da qual só se sabe, pela voz do ministro da economia, que promoverá restrições aos direitos dos funcionários públicos, civis evidentemente. Porque o direito, nessa democracia de fancaria, não pode ser igual para todos, uma utopia que o ainda ministro da Educação deve atribuir a uma maquinação do “marxismo cultural”. Assim, para os civis, austeridade, e para os militares (os oficiais, não os praças), veremos, a bonança.

Quando a concentração de renda e a desigualdade social alcançam os níveis acima referidos, quando os investimentos públicos são contidos para fazer face a uma estúpida política monetarista que privilegia o ajuste fiscal – a grande demanda do sistema financeiro –, aguçam-se a crise social e seus efeitos sobre o trabalho e os trabalhadores. Longe de incentivar a economia e proteger o trabalho, também atingido pela inevitável (e desejada) introdução de novas tecnologias, pelo advento da era digital, da robótica e da inteligência artificial, o governo liberal-autoritário restringe os direitos trabalhistas e desarticula a cadeia de proteção social. No mesmo sentido, o sistema previdenciário público e civil é desmantelado, deixando trabalhadores e aposentados sem cobertura. E o capitão já cogita de apenar com impostos o seguro-desemprego.

Com a chamada “PEC emergencial”, apresentada com o suposto propósito de reestruturar as finanças públicas, o governo prevê a redução de salários dos funcionários públicos da União, dos Estados e dos municípios.

Em compensação, o que deveria ser a reforma da previdência para civis e militares com “regras iguais para todos” como anunciavam Guedes e Maia transformou-se em reajuste de salários e reestruturação das “forças da ordem”.

É evidente que a benesse não está sendo dada de graça; ela olha, grata, para o passado remoto e para os serviços prestados pelos comandados do general Villas Bôas, mas talvez mire com mais atenção ainda para a sustentabilidade de um governo impopular.

Com o apoio do Congresso (muito estimulado por generosas liberações, pelo Planalto, de ricas verbas para os colégios eleitorais de senadores e deputados), a cumplicidade de quase todos os partidos e o silêncio das massas, e, assim, com deputados e senadores livres da pressão dos eleitores, silentes, o capitão, na mesma safra em que ceifou direitos dos trabalhadores e dos aposentados civis, em nome de uma falsa “política de austeridade”, promoveu aumentos, adicionais e vantagens nas carreiras e na forma de se aposentar dos militares, que, por exemplo, vão para casa com o último salário da ativa, quando o trabalhador brasileiro, a grande massa da mão de obra, se aposenta com um percentual calculado em cima de sua contribuição ao sistema previdenciário. Conquistas da reforma especiosa, o adicional por curso pode chegar a 73% sobre o salário, e o adicional por disponibilidade pode chegar a 32%. O militar ainda aufere um abono de oito salários integrais (eram quatro) quando passar para a reserva. Se por acaso for expulso da força, sua esposa passa a receber integralmente o salário. A previdência dos militares não estabelece idade mínima para a transferência para a reserva, ao contrário da regra que se aplica aos civis para a aposentadoria.

Quando o governo tonitruava o “fim dos privilégios”, na verdade afagava uma poderosa comunidade com reajuste (aumento) de salários e restruturação das carreiras, que deve custar 86,85 bilhões de reais aos cofres públicos (O Estado de São Paulo, 5/12/2019).

Se os militares são privilegiados em face dos civis, há militares mais privilegiados do que outros. É esta, por exemplo, a diferença de tratamento da reforma quando se trata oficiais e suboficiais – soldados, cabos, sargentos e subtenentes –, nada menos de 82% do efetivo de nossas tropas. Se o aumento, já valendo para 2020, dos vencimentos da casta superior das forças armadas, seus oficiais, será de 45%, o aumento destinado ao restante da tropa, os subalternos, é de apenas 4%. Se os adicionais de disponibilidade e de habilitação, como vimos, beneficiam os oficiais com 32% e 73%, no que diz respeito aos suboficiais, sargentos e praças os benefícios se reduzem a 5% e 12%.

A injustiça se faz em casa porque a caserna reproduz o estado autoritário e divide a tropa entre os que habitam a casa grande e a ralé que não pode sair da senzala. É um microcosmo do grande Brasil colonial, que sobrevive entre nós.

Frente Ampla – O projeto da Frente Ampla não mira as eleições, mas a resistência ao bolsonarismo e a defesa de um projeto nacional.

Marielle – A pergunta que não pode calar: quem mandou matar Marielle Franco?

Leia mais em www.ramaral.org

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!