Opinião

Rui Daher: Os bancos mentem

Será que banqueiros terão como garantia real a comida em vossas mesas sem o pequeno produtor?

(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)
(Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

É tiro e queda. Não tem um dia em que você abra as folhas e telas cotidianas e lá não estejam os donos de bancos privados ou presidentes de bancos públicos informando sobre os trilhões que já soltaram ou ainda irão soltar para empresas de pequeno e médio porte.

Mentem. Se soltaram, no centro da cédula estará a imagem de “Conceição”, aquela que ninguém sabe, ninguém viu. Se ainda irão soltar, não esperem que contribuam com (parte) do pagamento de seu caixão ou com o aluguel das escavadeiras de covas rasas.

Mentem. Quem nunca mentiu fomos nós, quando absorvíamos seus juros e taxas exorbitantes, para efeito de seus lucros. Antes fomos enganados por gerentes solícitos a nos oferecer café, água e depois seguros e consórcios, para atingirem suas metas. Pequenos esmoleres, aceitávamos. Ao primeiro sinal de crise, mandavam embora levas de bancários e recompunham seus desempenhos.

Para tanto, a profunda e crescente concentração em períodos que vem desde a ditadura militar, a superinflação e o neoliberalismo de FHC. Mentem para não confessarem o porquê de se concentrarem, para depois se fundirem, e nos fazerem de manada de gado sem rumo.

No jornal Valor Econômico do dia 14 de maioa manchete foi “Pequenas empresas ainda veem obstáculos no acesso de recursos”. Subtítulo: “Concessões para pessoa jurídica crescem, mas bancos aumentam exigências”. Histórico, desde as fusões e a eliminação da concorrência, alguma vez eles agiram diferente?

Reclamam associações de lojistas, indústrias de máquinas, peças e equipamentos, ANFIR, Abrasce e outros que, dos R$ 320 bilhões liberados segundo a Febraban (Federação Brasileira de Bancos), R$ 200 bilhões foram para grandes empresas, quase 2/3. Isso segundo a Febraban, porta-voz de sabemos quem.

E os pequenos e médios? Garantias reais. Imobilizados. No caso da agricultura, que não a de exportação, o quê? Muitas vezes terras arrendadas e, se não, o ganha-pão de milhões de pequenos produtores brasileiros. Tratores, pás, enxadas, cercas, escavadeiras manuais, bombas costais? Galinha, não, que estas se movem, ciscando e cacarejando.

Sem o pequeno produtor, será que vocês, banqueiros e seus executivos, terão como garantia real a comida em vossas mesas? Continuarão a espoliá-los?

Não posso ir lá, com o inferno do isolamento high-society, mas posso ligar. É o que faço para João Agripino dos Santos, lavrador de alcachofras e caquis. As primeiras, ele não irá plantar. Requerem tratamento caro e de qualidade para pegarem bom preço, lá por volta de outubro. Do caqui, João entregou a safra quase de graça, basta ver o preço dos frutos nas feiras-livres e supermercados. 

– Mas, João, por que não pediu financiamento no banco?
– Responderam que sou de alto risco.
– É, tá na moda. E agora?
– Vou ver se a muié eles consideram real e a mãe enterrada no cemitério de Piedade (SP) imobilizada.

Inté.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!