Diversidade

A pós-verdade, o nazismo e a mídia

A proliferação de falsas notícias não é um fenômeno criado pelo MBL e congêneres. As redes sociais emulam estratégias do jornalismo tradicional

O nazismo é de esquerda, a última piada das redes sociais
Apoie Siga-nos no

Circula pelas redes sociais um post do MBL que iguala o nazismo à esquerda. Nos EUA, a extrema direita também trabalha tal ilusionismo. É o reino da pós-verdade, Donald Trump é a expressão máxima dessa onda. Cria fatos falsos a cada pronunciamento, enquanto dá cada vez mais espaço e visibilidade para produtores de pós-verdade se estabelecerem no cenário midiático norte-americano como legítimos empreendimentos jornalísticos.

Não à toa, há suspeitas de conexões concretas entre aqueles que bancam a pós-verdade no norte e nossos exemplares aqui do sul, que hoje são uma legião. Confiram na webpage Burgos Media Watch o ranking das páginas de Facebook mais compartilhadas: só prospera a direita da pós-verdade. Aquelas que produzem notícias falsas sobre Lula, PT, CUT, MST etc. Lembram-se da notícia de que o Lulinha era o dono da JBS? E a morte por envenenamento do doleiro Alberto Yousseff no domingo do segundo turno?

A impressão geral passada pelos analistas de plantão é que entramos de maneira acelerada no domínio da pós-verdade. Mas tal visão, como tantas outras feitas no calor da hora, são mais produto de vertigem do presente do que de análise detida dos fatos.

Leia Mais:
A Idade Média é nossa
O Brasil tem dono

Enganam-se aqueles que imaginam ser a pós-verdade uma invenção pós-moderna, do mundo atual das redes sociais. O nazismo, que ganhou grande visibilidade nos EUA com o apoio do presidente Trump, chafurdava na pós-verdade. A ditadura brasileira, de certo modo, também. Na realidade, o conceito mesmo de pós-verdade é por demais simplista, pois é baseado em uma oposição dicotômica entre verdade e mentira.

Ainda que tal dicotomia tenha um apelo cognitivo forte, ele não resiste a uma análise um pouco mais profunda. Primeiro, da maneira como é posto, ele acaba por produzir a ilusão de que a mídia tradicional é o império da verdade. Nada mais falso.

O jornalismo tradicional não está isento de culpa (Foto: CCO)

Segundo, ao fazer isso ele apaga o viés político que a mídia imprime às notícias, por meio de estratégias de enquadramento e agendamento. A ironia é inescapável, o conceito de pós-verdade é ele mesmo pós-verdadeiro.

Há, no entanto, um efeito político do conceito de pós-verdade ainda pior. Ao se conquistar um espaço na mídia e, consequentemente, no espectro ideológico, ocupando a direita, os agentes da pós-verdade não somente investem a mídia conservadora de legitimidade, mas também empurram o espectro restante para a direita. A mídia oligopolista desliza para o centro e a centro-esquerda é empurrada mais à esquerda, ficando comprimida no canto radical do espectro.

Precisamos ser um pouco cautelosos em relação às modas conceituais que propalam o advento de um mundo novo. É a velha vertigem do presente, que assola geração após geração. Precisamos reconhecer que as posições antiesquerda, antipopulares, antipetistas e racistas dos sites e blogs da pós-verdade têm uma forte solução de continuidade com as posições da grande mídia. Tais ativistas são somente a franja mais estridente de uma mesma posição, antirrepublicana, demófoba e antinacional.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo