Mundo

Zelensky critica falta de prazo para adesão ucraniana à Otan

Presidente reagiu contrariado durante cúpula à posição da aliança de convidar o país quando “os aliados concordarem e os requisitos forem cumpridos” – sem estabelecer cronograma

Foto: Odd ANDERSEN / AFP
Apoie Siga-nos no

Frustrando as expectativas ucranianas, o secretário-geral da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), Jens Stoltenberg, anunciou nesta terça-feira (11/07) que o convite à Ucrânia para juntar-se à aliança dependerá da anuência dos membros da organização e do cumprimento de algumas condições.

A declaração foi feita a jornalistas reunidos em Vilnius, capital da Lituânia, durante a cúpula da organização transatlântica. Ela espelha o comunicado oficial da aliança, que cita a necessidade de o país promover reformas democráticas e no setor de segurança, mas reforça que “o futuro da Ucrânia está na Otan”.

“É um absurdo sem precedentes que não tenham estabelecido um cronograma para o convite e a entrada da Ucrânia [na Otan]”, reagiu o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky no Twitter, quando ainda estava a caminho da cúpula. “Incluem palavras vagas sobre ‘condições’ até para convidar a Ucrânia. Parece que não há disposição nem para convidar a Ucrânia para a Otan, nem para torná-la membro da aliança.”

Zelensky deve encontrar o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, e outros líderes da Otan nesta quarta-feira.

Queixando-se sobre estar sendo excluído das discussões, o presidente ucraniano afirmou que seu país “merece respeito” e sugeriu que a “incerteza” da Otan permite que a Rússia interfira nessa decisão usando-a como elemento de barganha em futuras negociações de paz.

Stoltenberg minimizou as críticas de Zelensky argumentando que outras candidaturas à aliança também não seguiram um cronograma. “Se você olhar para todos os processos, não houve prazos. São processos baseados em condições, sempre foram”, afirmou, frisando que a declaração desta cúpula sobre a Ucrânia foi a mensagem política mais forte da Otan no sentido de indicar o caminho para a candidatura do país e sinalizar o apoio “concreto” e “duradouro” dos aliados.

Ainda segundo Stoltenberg, o mais importante agora é apoiar os ucranianos porque, a menos que o país vença, “não há adesão nenhuma a ser discutida”.

Também nesta terça, Zelensky discursou em praça pública em Vilnius diante de uma plateia formada por ucranianos e lituanos.

Adesão da Ucrânia divide Otan

Embora a entrada na Otan tenha sido prometida à Ucrânia em 2008 e muitos membros da aliança apoiem militarmente o país, não há consenso entre os 31 aliados sobre a admissão de Kiev no grupo.

Enquanto países bálticos fazem campanha pela Ucrânia, EUA e Alemanha têm pedido cautela. Biden já expressou preocupação com a situação da governança e corrupção do país, mas há também receios de que a Rússia possa perceber a expansão menos como um impeditivo à guerra e mais como uma provocação.

Para facilitar e encurtar o processo de adesão de Kiev, contudo, líderes da Otan concordaram em simplificá-lo. Uma vez finda a guerra, o país ficará isento de apresentar um plano para demonstrar que realizou as reformas militares, econômicas e políticas necessárias para ingressar na aliança militar.

Entrada da Suécia na Otan é sinal ao Kremlin

O caso ucraniano contrasta com o sueco: as negociações para adesão do país nórdico foram concluídas em questão de dias, e devem, junto com a recém-chegada Finlândia, expandir o poder da aliança no norte da Europa.

Último obstáculo à entrada da Suécia, o presidente da Turquia Recep Tayyip Erdogan liberou às vésperas da cúpula da Otan o caminho para a expansão da aliança. Ele deve ser seguido pela Hungria, para quem a ratificação dos suecos é agora só uma “questão técnica”.

A expectativa é de que a Suécia ocupe a 32ª cadeira da Otan ainda durante o outono europeu.

Para Stoltenberg, que mediou a negociação com Erdogan, a chegada da Suécia à Otan demonstra que a invasão da Ucrânia foi um “grande erro estratégico” de Vladimir Putin: “Ele entrou para a guerra porque queria menos Otan, e agora terá mais.”

“Parece que os europeus não entendem o erro deles”, reagiu o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov. Ele advertiu sobre os riscos de acelerar o processo de entrada da Ucrânia na Otan. “É muito perigoso para a segurança europeia, carrega riscos muito grandes.”

Alemanha enviará novas armas à Ucrânia

Também nesta terça, a Alemanha anunciou o envio de mais arsenal bélico à Ucrânia no valor de 700 milhões de euros. Segundo o Ministério da Economia alemão, até junho de 2023 foram destinados 3,9 bilhões em apoio militar à Ucrânia, o que faz da Alemanha o segundo maior aliado do país, atrás apenas dos EUA.

Outro anúncio feito na cúpula é de que o treinamento da Otan oferecido a pilotos ucranianos para manuseio de aviões de combate F-16 começará em agosto na Romênia. Onze países apoiam a ação, sob a liderança de Dinamarca e Holanda.

(AP, Reuters, dpa, EFE)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo