Violência marca eleição de Constituinte na Venezuela

Mundo

Por Elianah Jorge, de Caracas

Duas pessoas foram assassinadas no interior do país, entre elas um dirigente da oposição e um candidato do governo. Pelo menos seis pessoas ficaram feridas, entre elas quatro policiais, que estavam no bairro de Altamira, de oposição, na capital venezuelana, quando seus veículos foram incendiados.

O clima de incerteza também esteve presente durante todo o dia de votação para a Assembleia Constituinte. A oposição não apresentou candidatos e acusa Maduro de tentar reforçar seus poderes.

Leia Mais:

Constituinte é a aposta chavista para evitar guerra civil na Venezuela
O futuro da Venezuela está em jogo. Por Igor Fuser, no blog do GRRI

Em Caracas, de um lado da cidade poucos eleitores foram às urnas. Do outro lado, na área oeste, alguns manifestantes insatisfeitos protestavam. Porém uma característica similar unia ambos os grupos antagônicos e polarizados: poucas pessoas nas ruas.

Pouca adesão de ambos os lados
Até o início da tarde a convocação feita pela coligação opositora Mesa da Unidade Democrática não atraiu tantas pessoas como era esperado. A opositora María Rodríguez Torrealba, de 53 anos, disse ter medo da reação das forças de segurança do governo, por isso preferiu só observar, enquanto poucos manifestantes se dirigiam a uma das principais vias de Caracas.

Já na ala leste da capital, que é de predomínio de eleitores chavistas, poucas pessoas comemoravam a data. Nada compatível com anos anteriores, quando os eleitores do chavismo predominavam nos locais de votação.

Até mesmo onde o ex-presidente Hugo Chávez votava, as filas era insignificantes, se comparadas com a fila dos supermercados e padarias, onde diariamente mais de duzentas pessoas se aglomeram para comprar pão, um dos produtos escassos neste país membro da OPEP e que se gaba de ter uma das maiores reservas de petróleo do planeta.

Nova Constituição
O presidente Nicolás Maduro foi o primeiro a votar. Ele usou o carnê da pátria, uma espécie de carteira de identidade através da qual o governo acompanha os passos de seus seguidores. Héctor Rodríguez, chefe do Comando de Campanha da Assembleia Constituinte, informou que através do carnê da pátria foi possível verificar que esta foi uma das melhores votações realizadas na Venezuela.

Apesar de toda a crítica e de ameaças de sanções, neste domingo, 30 de julho, vão ser eleitos 545 constituintes que vão escrever uma nova Constituição para a Venezuela e assim deixar para trás a de 1999, estabelecida pelo ex-presidente Hugo Chávez.

Outras:

Maduro veta protestos antes da votação para a Constituinte
Linchamentos, uma epidemia de raiva que se espalha pelo país

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem