Mundo

Venezuela denuncia Convenção de Direitos Humanos da OEA

O regime de Chávez já havia anunciado em julho seu desejo de denunciar a Convenção, considerada um ‘instrumentos do imperialismo’

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Foto: ©AFP / Leo Ramírez
O presidente da Venezuela, Hugo Chávez. Foto: ©AFP / Leo Ramírez
Apoie Siga-nos no

WASHINGTON (AFP) – O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, anunciou nesta segunda-feira 10 que a Venezuela efetivou a denúncia contra a Convenção Americana de Direitos Humanos, o que abre o período de transição de um ano antes da efetiva saída de Caracas.

“O secretário-geral da OEA lamenta a decisão adotada pelo governo da República Bolivariana da Venezuela de denunciar este instrumento jurídico, um dos pilares da legislação que ampara a defesa dos direitos humanos no continente”.

Insulza manifestou sua esperança de que a Venezuela possa reconsiderar sua decisão durante os próximos 12 meses, até sua efetiva saída.

Durante este lapso, a Venezuela ainda poderá ser denunciada e condenada junto à Corte Interamericana, com sede em San José, máxima autoridade jurídica em matéria de direitos humanos na região.

O regime de Hugo Chávez, que critica a gestão da Corte e também a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, com sede em Washington, já havia anunciado em julho seu desejo de denunciar a Convenção.

Chávez considera os dois organismos “instrumentos do imperialismo” e parciais sobre a Venezuela.

Caracas não pode se retirar da Comissão Interamericana – órgão autônomo da OEA – sem abandonar a própria organização regional.

O governo de Hugo Chávez mostrou grande irritação com a recente condenação pela Corte Interamericana do caso envolvendo o venezuelano Raúl Díaz Peña, falecido quando cumpria 6 anos de prisão por participar, em 2003, dos atentados contra as embaixadas da Venezuela em Madri e Bogotá.

O candidato da oposição à presidência da Venezuela, Henrique Capriles, criticou a decisão de Chávez estimando que a medida obedece a um governo que “não tolera decisões de instâncias internacionais que freiam seus abusos de poder”.

O ex-governador do estado de Miranda destacou que “os tratados internacionais sobre direitos humanos são para controlar o poder, algo que o governo” de Hugo Chávez “não tolera”.

Capriles garantiu que em seu governo a “Venezuela estará em todas as instâncias internacionais que velem pela defesa dos direitos humanos”.

Mais informações em AFP Móvil

WASHINGTON (AFP) – O secretário-geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), José Miguel Insulza, anunciou nesta segunda-feira 10 que a Venezuela efetivou a denúncia contra a Convenção Americana de Direitos Humanos, o que abre o período de transição de um ano antes da efetiva saída de Caracas.

“O secretário-geral da OEA lamenta a decisão adotada pelo governo da República Bolivariana da Venezuela de denunciar este instrumento jurídico, um dos pilares da legislação que ampara a defesa dos direitos humanos no continente”.

Insulza manifestou sua esperança de que a Venezuela possa reconsiderar sua decisão durante os próximos 12 meses, até sua efetiva saída.

Durante este lapso, a Venezuela ainda poderá ser denunciada e condenada junto à Corte Interamericana, com sede em San José, máxima autoridade jurídica em matéria de direitos humanos na região.

O regime de Hugo Chávez, que critica a gestão da Corte e também a Comissão Interamericana de Direitos Humanos, com sede em Washington, já havia anunciado em julho seu desejo de denunciar a Convenção.

Chávez considera os dois organismos “instrumentos do imperialismo” e parciais sobre a Venezuela.

Caracas não pode se retirar da Comissão Interamericana – órgão autônomo da OEA – sem abandonar a própria organização regional.

O governo de Hugo Chávez mostrou grande irritação com a recente condenação pela Corte Interamericana do caso envolvendo o venezuelano Raúl Díaz Peña, falecido quando cumpria 6 anos de prisão por participar, em 2003, dos atentados contra as embaixadas da Venezuela em Madri e Bogotá.

O candidato da oposição à presidência da Venezuela, Henrique Capriles, criticou a decisão de Chávez estimando que a medida obedece a um governo que “não tolera decisões de instâncias internacionais que freiam seus abusos de poder”.

O ex-governador do estado de Miranda destacou que “os tratados internacionais sobre direitos humanos são para controlar o poder, algo que o governo” de Hugo Chávez “não tolera”.

Capriles garantiu que em seu governo a “Venezuela estará em todas as instâncias internacionais que velem pela defesa dos direitos humanos”.

Mais informações em AFP Móvil

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.