Mundo

Vazamento de mensagens de governador de Porto Rico desencadeia crise

Vazamentos de mensagens do Telegram expôs comentários ofensivos do governador de Porto Rico a políticos, jornalistas e artistas

(Foto: Brendan Smialowski/AFP)
Apoie Siga-nos no

Milhares de pessoas exigiram na noite de segunda-feira 15 a renúncia do governador de Porto Rico, Ricardo Rosselló, depois do vazamento de um polêmico chat pela imprensa local. Nas mensagens trocadas através do aplicativo Telegram, Rosselló e outras 12 pessoas criticam políticos e jornalistas e usam memes e insultos de teor sexual, segundo revelou na semana passada o Centro de Jornalismo Investigativo (CJI) de Porto Rico, em trechos publicados no jornal El Nuevo Día.

Os protestos continuam ao longo da semana, e manifestações são esperadas em Nova York nesta quarta-feira 17. Nas mensagens – que foram trocadas entre dezembro de 2018 e o fim de janeiro de 2019 -, o governador e assessores próximos trocavam memes, teciam comentários homofóbicos, sexistas e ofensivos, com o uso de palavras de baixo calão.

 

O governador pediu desculpas por seus comentários e alegou que “o chat era usado para liberar as tensões de dias de 18 horas de trabalho (…) mas nada disso justifica as palavras que escrevi”. As mensagens também mostram desprezo, por parte de Rosselló, na condução de emergência pela passagem do furação Maria, que destruiu o país em 2017 e vitimou mais de 4000 pessoas.

A crise, desencadeada no sábado 13, resultou na renúncia do Secretário de Estado, Luis Rivera, e do representante do Executivo na Junta de Supervisão Fiscal, Christian Sobrino.

O Poder Judiciário do país ordenou que todas as pessoas que participaram do chat, incluindo o governador, entreguem os respectivos celulares à divisão técnica da Justiça para a condução de uma investigação especial instaurada.

Ações nas ruas

A polícia dispersou os manifestantes com gases lacrimogêneo e também foi registrado um incêndio do lado de fora da sede do governo na capital do país, San Juan.

O cantor Ricky Martin, alvo de menções ofensivas, afirmou que essas declarações “são completamente repudiáveis e denotam o caráter e personalidade intolerantes, arrogantes, prepotentes, homofóbicas, machistas e violentas de cada um” dos participantes do chat. O cantor foi atacado por um funcionário do governo, que disse que “Ricky Martin é tão machista que transa com homens porque as mulheres não lhe servem. Puro patriarcado”.

*Com AFP

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo