Uruguai, o primeiro país da América Latina a vacinar menores contra Covid-19

O Uruguai começou a vacinar adolescentes entre 12 e 17 anos com doses da Pfizer nesta quarta-feira 9

Foto: Thomas Lohnes/AFP

Foto: Thomas Lohnes/AFP

Mundo

O Uruguai começou a vacinar adolescentes entre 12 e 17 anos com doses da Pfizer nesta quarta-feira 9, tornando-se o primeiro país latino-americano a imunizar menores contra a Covid-19, decisão com a qual as autoridades esperam retomar as aulas presenciais no Ensino Médio.

 

 

 

Mais de 150.000 menores foram programados para serem vacinados até segunda-feira, em uma população total de 290.000 incluídos nessa faixa etária.

As autoridades esperam adiantar o retorno às salas de aula do Ensino Médio até o final de julho, quando o grupo atingir a imunidade total. As escolas primárias serão reabertas em junho.

O presidente Luis Lacalle Pou havia anunciado essa decisão na terça-feira da semana passada em uma entrevista à televisão.

“Hoje a Comissão de Vacinas autorizou a vacinação dos 12 aos 18 anos, com a qual já no final desta semana estaremos ligando para que sejam agendadas” nessa faixa etária, disse o presidente ao Canal 10 local.

O Chile também autorizou a vacinação de adolescentes entre 12 e 16 anos com a Pfizer, mas a campanha começará a partir de 20 de junho, segundo o ministro da Saúde.

O Uruguai, com 3,5 milhões de habitantes, é atualmente a nação com o maior número de mortes no mundo nos últimos 14 dias, em relação à sua população, segundo balanço da AFP feito com dados oficiais.

Apesar das reivindicações da comunidade científica e opositores, Lacalle Pou descartou a paralisação do país decretando medidas de confinamento.

O governo aposta em uma intensa campanha de vacinação que, desde seu início em 1º de março, já imunizou 58% da população com pelo menos uma dose da Sinovac, Pfizer ou Astrazeneca.

30% já estão totalmente vacinados.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem