Mundo

Uma Grécia dividida às vésperas do referendo

Defensores do “sim” falam de uma escolha sobre o futuro do país na Zona do Euro, enquanto o outro lado vê a consulta como uma forma de marcar posição perante credores e suas medidas de austeridade

Ativista anti-UE queima bandeira da união em frente ao escritório da Comissão Europeia em Atenas, em 2 de julho
Ativista anti-UE queima bandeira da união em frente ao escritório da Comissão Europeia em Atenas, em 2 de julho

Nas vésperas do referendo grego, agendado para domingo 5, o debate tem ganhado contornos cada vez mais acirrados, embora ele não seja novo: como os gregos avaliam o resto da União Europeia UE?

Segundo pesquisas de opinião, eles estão entre os maiores defensores do bloco desde que aderiram à então Comunidade Europeia, em 1981 – não só por causa do apoio financeiro generoso de Bruxelas, mas também porque a UE é vista e estimada, tradicionalmente, como uma âncora de estabilidade. Mas em tempos de crise, isolacionistas e eurocéticos conseguem chamar cada vez mais atenção na Grécia.

Cerca de 20 mil pessoas se reuniram na segunda-feira 29 em frente ao Parlamento grego numa manifestação impressionante pelo “não”. Na opinião dos manifestantes, seria um “não” a uma “austeridade imposta externamente” e não uma negativa à adesão da Grécia ao euro. Dois dias mais tarde, houve mais manifestações contra as medidas de austeridade.

Antes, o “não” era a escolha da maioria, mas, atualmente, pesquisas indicam uma votação apertada. Para Spiros Koreas, esse é mais um motivo para ir às ruas. “Queremos recuperar nossas próprias vidas e pôr fim ao nosso empobrecimento. Por isso que nós defendemos um orgulhoso ‘não’ neste domingo”, diz o ativista grego de 50 anos.

O debate entre os defensores do “não” e os do “sim” é extremamente emocional. Muitos citam não só o futuro da Grécia, como seu próprio passado, na batalha da geração dos pais por mais democracia em um país atormentado por guerras e crises.

“Em julho de 1965, o governo democraticamente eleito da Grécia foi derrubado. Na época, fomos às ruas para defender a democracia neste país. Nunca pensamos que, em julho de 2015, 50 anos depois, a UE interviria tão bruscamente, logo ela que se acha o berço da democracia”, ressalta a ativista Sonia, que é a favor do “não”.

Cada vez mais frequentemente é possível ouvir nas ruas de Atenas esta comparação histórica e a referência aos eventos dramáticos de julho de 1965, quando o jovem rei Constantino causou a queda do governo recém-eleito do liberal de esquerda Giorgos Papandreou – supostamente para evitar uma rebelião comunista.

A medida foi acompanhada de batalhas de rua, uma longa crise política com constante mudança de governos e o cruel golpe militar de 1967. Os acontecimentos marcaram o começo do fim da democracia grega e fundaram o mito da dinastia Papandreou, que até hoje influencia a vida política grega. A dúvida é se Alexis Tsipras deseja também ser tratado como um herói pelos livros de história, mesmo que venha a involuntariamente a renunciar ao poder.

Os defensores do “sim”, que na terça-feira 30 também compareceram em grande número, veem a coisa por outro prisma. “Faz uma eternidade que não venho a uma manifestação, mas desta vez eu queria participar”, diz a advogada Vassiliki, de 44 anos. Ela acrescenta que não vê outra saída a não ser um “sim”. “Estamos falando de nada menos que o futuro do nosso país”, completa.

A advogada, mãe de dois filhos, vive numa situação de relativo conforto e educa seus filhos de forma liberal, multilíngue e pró-europeia. Ela pertence a uma geração para qual uma Europa sem fronteiras é algo comum e que não pode ser ameaçado.

“Acho simplesmente inacreditável que eu tenha que me manifestar e lutar pelo óbvio”, reclama a jurista.

Os defensores do “sim” falam de uma escolha de direção sobre o futuro europeu da Grécia, enquanto o outro lado vê o referendo apenas como uma decisão sobre as mais recentes propostas de austeridade dos credores.

A luta pela soberania de interpretação do referendo continua – e o primeiro-ministro grego, Alexis Tsipras, quer dar sua própria contribuição ao debate, afirmando, em discurso à nação, que quem decidir pelo “sim” se torna “cúmplice da continuação da política de austeridade”.

“É uma coisa incrível”, se admira o escritor Christos Chomenidis. “O primeiro-ministro chama os eleitores de culpados só porque eles não compartilham da sua opinião. Isso nunca aconteceu, nem mesmo num regime autoritário.”

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!