Mundo

UE segue os Estados Unidos e anuncia retirada do seu pessoal do Haiti

Na semana passada, o Haiti decretou estado de emergência e toque de recolher após fuga de detentos; violência aumentou significativamente no final de semana

Marcas da violência em Porto Príncipe, capital do Haiti. Foto: Clarens SIFFROY / AFP
Apoie Siga-nos no

A União Europeia anunciou, nesta segunda-feira (11), que evacuou o seu pessoal do Haiti, onde a capital, Porto Príncipe, enfrenta uma grave crise de segurança após uma espiral de violência desencadeada por gangues armadas em confronto com a polícia.

“Removemos os funcionários da UE do Haiti”, disse Peter Stano, porta-voz da divisão diplomática da Comissão Europeia, o braço Executivo do bloco, nesta segunda-feira.

Segundo o porta-voz, a UE está “extremamente preocupada” com a situação no Haiti, onde houve ataques a hospitais e prisões, escassez de alimentos e infraestruturas bloqueadas.

“Em resposta à dramática deterioração da situação, tomamos a decisão de reduzir as nossas atividades no terreno e transferimos o pessoal da delegação da UE em Porto Príncipe para um local mais seguro, fora do país”, disse Stano.

A UE ainda tem pessoal essencial que continua trabalhando, “mas não do Haiti”, acrescentou.

No domingo, após a escalada da violência no País, os Estados Unidos anunciaram a retirada dos seus funcionários do corpo diplomático na região.

A Comunidade do Caribe (Caricom) convocou uma reunião de emergência na Jamaica para discutir a grave situação no Haiti. Convites para essa reunião foram enviados à França, ao Canadá e à ONU.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, também viajará para o local. A informação foi confirmada pelo Departamento de Estado do país.

(Com AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo