UE e Reino Unido decidem prosseguir com as negociações pós-Brexit

Reino Unido deve sair da União Europeia no dia 31, mas acordo comercial ainda não foi fechado

A presidente da União Europeia, Ursula von der Leyen. Foto: Olivier Hoslet/AFP

A presidente da União Europeia, Ursula von der Leyen. Foto: Olivier Hoslet/AFP

Mundo

União Europeia (UE) e Reino Unido concordaram neste domingo, 13, em prosseguir com as negociações em Bruxelas sobre sua futura relação pós-Brexit, em uma decisão que mantém viva a interminável saga para evitar um divórcio brutal em 31 de dezembro.

Em um breve comunicado conjunto, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, e a presidente da Comissão Europeia, Ursula Von Der Leyen, anunciaram que deram instruções para que suas equipes, reunidas em Bruxelas, continuem as conversações.

 

“Nossas equipes de negociação trabalharam dia e noite nos últimos dias e, apesar do cansaço após quase um ano de negociações, embora os prazos não tenham sido cumpridos uma vez ou outra, acreditamos que é responsável neste momento ir um pouco mais longe”, destacaram os dois líderes.

“Em consequência, ordenamos a nossas equipes de negociação que prossigam com as conversações para ver se um acordo é possível, mesmo nesta etapa tardia”, anunciaram.

Alguns minutos antes, Johnson e Ursula Von Der Leyen tiveram uma conversa por telefone que o comunicado chama de “útil”.

Na quarta-feira, os dois líderes concordaram que as equipes fariam um novo esforço em Bruxelas e que este domingo seria o prazo final para uma decisão sobre o destino do diálogo.

A definição, no entanto, foi continuar dialogando.

Fontes da UE e do governo britânico haviam manifestado um grande pessimismo sobre as conversações, antes do anúncio surpreendente deste domingo.

“Ainda há um longo período pela frente”, repetiu neste domingo o ministro britânico das Relações Exteriores, Dominic Raab, ao canal Sky News.

“Algumas propostas, algumas sugestões que nos fizeram, são bastante extravagantes, francamente, e não se tornam mais razoáveis com a repetição”, afirmou.

A chanceler espanhola, Arancha González, pediu às partes que evitem a qualquer custo uma ruptura sem acordo.

“Nas atuais circunstâncias, em plena pandemia de covid-19, seria extremamente negativo para nossas economias”, declarou a Sky News, recordando que “o Reino Unido sofreria ainda mais que a União Europeia”.

O primeiro-ministro da Irlanda, Micheál Martin, cujo país seria o mais afetado da UE por um Brexit sem acordo, também pediu a continuidade dos esforços.

“Seria um fracasso político se não estivéssemos em condições de conseguir um acordo”, declarou à BBC.

O presidente da Câmara Britânica do Comércio, Ruby McGregor, disse que o Reino Unido precisa de um acordo “o mais rápido possível”. “Precisamos entender como vamos negociar e sob quais regras”, disse.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem