Mundo

UE aprova plano de 2 bilhões de euros para fornecer munição à Ucrânia

Fontes diplomáticas indicam que a Ucrânia precisa de cerca de 350 mil projéteis por mês para conseguir conter o avanço russo

Foto: Aris Messinis / AFP
Apoie Siga-nos no

Ministros das Relações Exteriores de países da União Europeia (UE), reunidos em Bruxelas nesta segunda-feira 20, chegaram a um acordo para desbloquear 2 bilhões de euros (R$ 11 bilhões) para fornecer o enorme volume de munição solicitado pela Ucrânia e aumentar a produção no bloco, disseram diplomatas.

Os ministros aprovaram um plano de três etapas para entregar um milhão de munições de 155 mm à Ucrânia, restaurar estoques estratégicos nacionais e expandir a capacidade de produção da indústria de defesa do bloco, de acordo com diplomatas de cinco países.

O governo ucraniano já havia alertado repetidamente que suas tropas devem racionar seu poder de fogo, em um momento marcado pelo desgaste da guerra.

Fontes diplomáticas indicam que a Ucrânia precisa de cerca de 350 mil projéteis por mês para conseguir conter o avanço russo e planejar contraofensivas ainda este ano. No entanto, os países da UE estão com arsenais muito baixos, o que fez soar um alerta no bloco.

Os ministros europeus, portanto, discutiram estratégias para montar e abastecer a Ucrânia com um milhão de projéteis nos próximos 12 meses e repor as reservas estratégicas do bloco.

Ao chegar ao encontro, o chefe da diplomacia da UE, Josep Borrell, ressaltou a necessidade urgente de se chegar a um acordo.

“Caso contrário, teremos dificuldades para continuar fornecendo armas à Ucrânia”, disse o diplomata espanhol.

A ministra das Relações Exteriores da França, Catherine Colonna, por sua vez, analisou que a ajuda à Ucrânia precisa ser “mais rápida e imediata”.

O plano firmado pelos ministros em Bruxelas tem como primeira fase fornecer 1 bilhão de euros (em torno de R$ 5,6 bilhões) em fundos compartilhados para que os países do bloco encontrem projéteis em suas reservas que possam ser rapidamente enviados à Ucrânia.

Na etapa posterior, um pacote de mais 1 bilhão de euros será utilizado para fazer compras conjuntas de projéteis de 155 mm.

Já a terceira etapa visa ampliar a capacidade de produção das empresas europeias de defesa, a fim de abastecer a Ucrânia e repor as reservas nacionais.

Os países da UE já haviam anunciado um amplo apoio militar de 12 bilhões de euros (aproximadamente R$ 67 bilhões) à Ucrânia, incluindo 3,6 bilhões de euros já utilizados do Fundo Europeu de Apoio à Paz (FEAP).

A discussão está agora centrada no papel da Agência Europeia de Defesa (EDA) e na prioridade que deve ser dada às produtoras europeias.

A intenção dos diplomatas é conseguir fazer os primeiros envios de projéteis para a Ucrânia em maio e assinar os contratos conjuntos no início de setembro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo