Mundo

Twitter tira perfil de Trump do ar permanentemente

Rede social cita ‘risco de mais incitamento à violência’ para justificar a medida tomada nesta sexta-feira 8

Fotos: Jim Watson/AFP e Reprodução/Twitter
Fotos: Jim Watson/AFP e Reprodução/Twitter

O Twitter retirou do ar nesta sexta-feira 8 o perfil do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. “Após uma análise detalhada dos tweets recentes da conta @realDonaldTrump, suspendemos permanentemente a conta devido ao risco de mais incitamento à violência”, declarou a rede social em nota.

A empresa detalhou, em seu blog oficial, as razões pelas quais tomou a decisão. “No contexto de eventos horríveis nesta semana, deixamos claro na quarta-feira que violações adicionais das Regras do Twitter potencialmente teriam este desfecho”, explicou.

“Nossa estrutura existe para permitir que o público ouça diretamente as autoridades eleitas e os líderes mundiais. (…) No entanto, há anos deixamos claro que essas contas não estão acima de nossas regras e não podem usar o Twitter para incitar a violência, entre outras coisas. Continuaremos a ser transparentes em relação às nossas políticas e sua aplicação”, acrescentou a rede.

Na plataforma, usuários pressionavam pela adoção de medidas contra o presidente norte-americano após a invasão de um grupo de partidários do republicano ao Congresso do país, na última quarta-feira 6. Trump, acusado de incitar os militantes de extrema direita, também está impossibilitado de postar no Facebook e no Instagram.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!