Mundo

Trump queria bombardear laboratórios de drogas no México, conta ex-ministro da Defesa

Segundo trechos citados pelo jornal “The New York Times”, Trump estimava, então, que os Estados Unidos poderiam negar sua responsabilidade nos ataques

Foto: SAUL LOEB / AFP
Foto: SAUL LOEB / AFP
Apoie Siga-nos no

Donald Trump perguntou em 2020 ao seu ministro da Defesa, Mark Esper, se era possível bombardear os laboratórios de narcotraficantes no México, conta Esper em um livro que será publicado na próxima terça-feira.

Segundo trechos citados pelo jornal “The New York Times”, Trump estimava, então, que os Estados Unidos poderiam negar sua responsabilidade nos ataques com mísseis contra alvos em solo mexicano, segundo Esper, ministro de Trump entre julho de 2019 e novembro de 2020.

O então presidente teria perguntado em duas ocasiões se as Forças Armadas podiam “disparar mísseis sobre o México para destruir os laboratórios de drogas”, descreve Esper em suas memórias, intituladas “A Sacred Oath”, afirmando que as declarações de Trump o deixaram atônito.

Trump se distanciou de Esper em novembro de 2020, dias após o anúncio dos resultados da eleição presidencial. A relação entre o presidente e seu ministro estavam tensas desde que o chefe do Pentágono se opôs publicamente à mobilização do Exército para reprimir manifestações antirracistas no país, meses antes.

Em outros trechos do livro, Esper conta que, paralelamente às manifestações, em junho de 2020, o presidente, irritado, comentou no Salão Oval da Casa Branca: “Não podem simplesmente atirar contra eles? Atirem em suas pernas, ou algo assim.”

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.