Xenofobia pauta estreia da campanha de Donald Trump na TV americana

Mundo

 

A propaganda eleitoral de Donald Trump na TV começou da mesma forma que vem se desenrolando toda a sua campanha à Casa Branca: com controvérsia. Em seu primeiro vídeo, a equipe do pré-candidato republicano usa imagens de imigrantes marroquinos na Espanha para falar da situação na fronteira com o México.

No vídeo de 30 segundos, aparece uma imagem que parece ser da chegada em massa nos EUA de migrantes ilegais na fronteira com o México, enquanto se lembra a proposta de Trump de erguer um grande muro para evitar o fluxo. No entanto, as imagens não correspondem à fronteira do sul dos EUA, mas a uma gravação de 2014 da fronteira da Espanha com o Marrocos em Melilla.

O responsável pela campanha, Cory Lewandowski, reconheceu à emissora NBC que “não é a fronteira mexicana” que aparece no vídeo eleitoral. Porém, afirmou que o objetivo era mostrar “o que pode ocorrer nos EUA se não for construído um muro”.

O primeiro anúncio publicitário de televisão de Trump destaca suas intenções de acabar com o terrorismo islâmico e a imigração ilegal. A propaganda apresenta fotos do presidente dos EUA, Barack Obama, e da pré-candidata presidencial democrata Hillary Clinton, ao referir-se às políticas públicas para fazer frente ao jihadismo.

Às fotos de Obama e de Hillary acompanham as dos dois autores do massacre de San Bernardino (Califórnia), de novembro do ano passado, com uma voz em off que lembra a proposta de impedir temporariamente a entrada de muçulmanos nos EUA.

O vídeo é completado com imagens de um navio de guerra fazendo um disparo de artilharia e fotos de radicais islâmicos. Depois, aparece a mensagem de Trump de que “cortará a cabeça” do “Estado Islâmico” e “tirará seu petróleo”. A propaganda termina com uma imagem de um dos comícios do pré-candidato presidencial republicano. Nele, o magnata insiste em seu lema de que conseguirá que o país seja “grande” novamente.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem