Tentativa de invasão obriga Congresso do Chile a suspender atividades

Comissária da ONU para Direitos Humanos, ex-presidente chilena Michelle Bachelet enviará missão para acompanhar conflitos no país

Manifestantes encaram polícia em frente ao Congresso do Chile (Foto: Javier Torres/AFP)

Manifestantes encaram polícia em frente ao Congresso do Chile (Foto: Javier Torres/AFP)

Mundo

Manifestantes tentaram invadir o Congresso Nacional chileno no início da tarde desta sexta-feira 25, mas foram detidos pela polícia com bombas de gás lacrimogêneo e jatos de água. O edifício teve que ser evacuado e as atividades legislativas suspensas.

Este é o oitavo dia de protestos no país. Até agora, foram registradas 19 mortes, com 2.840 pessoas detidas e 295 feridas por armas de fogo.

Michelle Bachelet, ex-presidente do Chile e atualmente alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, disse que enviará, na próxima segunda-feira 28, uma missão de verificação para acompanhar os conflitos no país e examinar denúncias de violações dos direitos humanos.

Manifestações seguem fortes

As manifestações começaram na semana passada, com o anúncio do aumento das passagens do metrô. No entanto, mesmo após o presidente Sebastián Piñera ter voltado atrás e cancelado o aumento, os protestos continuaram. Os manifestantes reclamam do alto custo de vida, dos baixos salários e aposentadorias, do sistema de saúde e educação, que não é acessível a todos.

A fim de tentar acalmar os ânimos e conter as manifestações, o presidente Sebastián Piñera anunciou um pacote de medidas. Não foi suficiente. Os protestos continuam e a população argumenta que nenhuma das medidas anunciadas terá aplicação imediata, já que são iniciativas que ainda terão de passar pelo Congresso.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias brasileira, pública e de acesso livre, gerida pela Empresa Brasil de Comunicação (EBC).

Compartilhar postagem