Mundo

Suíços querem limitar entrada de imigrantes no país

Nas urnas, 50,3% da população dizem “sim” à proposta de partido populista de direita contra a “imigração em massa” na Suíça. Principais afetados serão cidadãos europeus

Cartaz eleitoral para o
Cartaz eleitoral para o "Stop Mass Immigration", referendo contra a imigração em massa proposta pelo populista de direita Partido Popular Suíço (SVP)
Apoie Siga-nos no

Por uma maioria bastante apertada, apenas 50,3%, os suíços aprovaram neste domingo 9 a iniciativa “contra a imigração em massa”, proposta pelo populista de direita Partido Popular Suíço (SVP), que pretende limitar o número de imigrantes no país. O governo em Berna tem agora um prazo de três anos para elaborar regras mais rígidas a fim de coibir a fixação de estrangeiros na Suíça, medida que deverá afetar principalmente cidadãos da União Europeia (UE).

O governo também deverá realizar mudanças no acordo de livre circulação de pessoas, assinado em 1999 com a União Europeia. Não existem números concretos sobre o limite da imigração. A iniciativa prevê, no entanto, que o contingente migratório deve considerar “os interesses econômicos” do país.

Em Bruxelas, a UE já havia anunciado que não iria aceitar uma infração de acordos vigentes. Por esse motivo, a Comissão Europeia já colocou em questão o acesso privilegiado da Suíça ao mercado único do bloco.

Bastante popular
Desde que o acordo de livre circulação de pessoas entre a Suíça e a UE entrou em vigor, no ano de 2002, cerca de 80 mil cidadãos do bloco europeu vêm se estabelecendo anualmente na Suíça – dez vezes mais do que o esperado pelo governo em Berna.

Atualmente, a república alpina conta com 8,1 milhões de habitantes e uma porcentagem de estrangeiros que gira em torno de 25% – cifra três vezes maior do que a da Alemanha. Aproximadamente 1,25 milhão dos estrangeiros na Suíça são provenientes de países da UE. A maioria vem da Itália e da Alemanha.

O SVP, o partido mais forte no Parlamento, acusa o governo de ter perdido o controle sobre as regras de imigração. Isso teria levado a consequência fatais, afirma o SVP, como baixos salários para trabalhadores locais, sobrecarga dos sistemas de saúde, educação, transporte, como também à falta de moradias, urbanização exacerbada e uma queda generalizada da qualidade de vida.

No entanto, a imigração de mão de obra especializada vinda de países próximos, juntamente com a vantajosa norma que garante livre acesso das empresas suíças ao gigantesco mercado europeu, são considerados os principais fatores que impulsionaram o crescimento econômico da Suíça nos últimos anos. Metade das exportações do país tem como destino países da UE.

CA/afp/dpa

  • Edição Mariana Santos

Logo DW

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.