Mundo

Se Biden se preocupasse com os cubanos, revogaria as medidas de Trump, rebate Díaz-Canel

Na quinta-feira 15, o presidente dos Estados Unidos chamou o sistema político de Cuba de ‘fracassado’

Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba. Foto: Irene Pérez/Cubadebate
Miguel Díaz-Canel, presidente de Cuba. Foto: Irene Pérez/Cubadebate

O presidente de Cuba, Miguel Díaz-Canel, cobrou a revogação dos embargos econômicos impostos pelos Estados Unidos, em resposta a recentes declarações do chefe da Casa Branca, Joe Biden. Na quinta-feira 15, Biden chamou o sistema político cubano de “fracassado”.

“Se o presidente Joseph Biden tivesse sincera preocupação humanitária pelo povo cubano, poderia eliminar as 243 medidas aplicadas pelo presidente Donald Trump, incluídas as mais de 50 impostas cruelmente durante a pandemia, como primeiro passo para o fim do bloqueio”, escreveu Díaz-Canel.

O líder comunista também rebateu diretamente a acusação de fracasso.

“Um Estado falido é aquele que, para agradar a uma minoria reacionária e chantagista, é capaz de multiplicar o dano a 11 milhões de seres humanos, ignorando a vontade da maioria dos cubanos, estadunidenses e da comunidade internacional”, afirmou, em referência à sessão da ONU em que todos os países votaram contra o bloqueio, menos os EUA e Israel.

Nos Estados Unidos, prosseguiu Canel, “por ineficácia de seu governo, não puderam salvar 600 mil falecidos por Covid-19”. Em seguida, disse que o país norte-americano “tem um vergonhoso recorde de guerras e violência; brutal repressão e assassinatos de cidadãos pela polícia; racismo e violações de direitos humanos”.

“Os EUA têm fracassado no empenho de destruir Cuba, apesar de, para consegui-lo, mal gastar bilhões de dólares”, concluiu Díaz-Canel.

Cuba é vítima de um bloqueio dos Estados Unidos há 60 anos. Em 2020, em plena pandemia, Havana anunciou prejuízo recorde devido aos embargos, superando pela 1ª vez a marca de 9 bilhões de dólares perdidos, sendo que em 2019 haviam batido o recorde com 5 bilhões de dólares de danos. Os embargos dificultam ou impedem a aquisição de itens essenciais, como alimentos, medicamentos, combustíveis e equipamentos. Biden, no entanto, ainda não sinalizou que revogará o bloqueio.

A troca de farpas ocorre depois que uma onda de protestos inéditos ocupou as ruas cubanas, em 11 de julho. Manifestantes clamaram por liberdade e direitos sociais. Segundo o governo, as queixas reportadas dizem respeito a efeitos dos embargos. Os dirigentes comunistas também indicam suspeitas de atuação de grupos financiados pelos Estados Unidos.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!