Mundo

Rússia volta a atacar Kiev com drones “suicidas”

Os ataques aconteceram uma semana depois dos disparos em larga escala de mísseis por parte da Rússia

Destroços das explosões em Kiev nesta segunda-feira 17. Foto: Yasuyoshi CHIBA / AFP
Apoie Siga-nos no

A Ucrânia denunciou nesta segunda-feira (17) que a Rússia voltou a atacar Kiev com vários “drones suicidas”, um ato de “desespero” de Moscou, de acordo com as autoridades ucranianas.

“Esta manhã, os terroristas russos atacaram novamente as infraestruturas energéticas da Ucrânia em três regiões”, lamentou o primeiro-ministro, que mencionou “cinco ataques com drones” em Kiev e “ataques com mísseis” em Dnipropetrovsk (centro-leste) e Sumi (nordeste).

Correspondentes da AFP em Kiev observaram drones sobrevoando um bairro central da capital e o momento em que policiais abriram fogo contra os aparelhos. Também foram observadas colunas de fumaça provocadas por explosões em toda a cidade.

Sirenes antiaéreas tocaram pouco antes das explosões, que aconteceram às 6H35 e 06H54 locais.

“O inimigo pode atacar nossas cidades, mas não conseguirá nos quebrar”, afirmou o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, antes de confirmar que “drones suicidas e mísseis estão atingindo toda a Ucrânia”.

Um dos bombardeios atingiu um edifício residencial. O prefeito de Kiev, Vitali Klitschko, informou que o corpo de uma mulher foi encontrado entre os escombros e que três pessoas foram hospitalizadas.

Correspondentes da AFP em Kiev observaram drones sobrevoando um bairro central da capital ucraniana.
Foto: Yasuyoshi CHIBA / AFP

Ataques às segundas-feiras

Os ataques aconteceram uma semana depois dos disparos em larga escala de mísseis por parte da Rússia, que duraram dois dias e atingiram cidades em toda a Ucrânia, provocando cortes de de energia elétrica

“Parece que agora nos atacam todas as segundas-feiras”, afirmou Sergiy Prijodko, enquanto aguardava do lado de fora da estação ferroviária central de Kiev.

“É a nova maneira de começar a semana”, declarou à AFP.

Após os ataques, o chefe de gabinete da presidência ucraniana, Andriy Yermak, afirmou que o país precisa de “mais sistemas de defesa antiaéreos o mais rápido possível”.

“Os russos pensam que isto vai ajudá-los, mas demonstra apenas o seu desespero”, destacou.

O ministério ucraniano da Defesa afirmou que “nas últimas 13 horas” os militares ucranianos derrubaram 37 drones Shahed-136 iranianos e três mísseis de cruzeiro lançados pela Rússia.

Drones iranianos”

Na semana passada, Zelensky afirmou que os drones iranianos estavam sendo utilizados pelos russos para atacar a infraestrutura energética, embora Teerã negue que esteja fornecendo armas a Moscou para a guerra.

Em 10 de outubro, mísseis russos atacaram Kiev e outras cidades na campanha de bombardeios mais intensa em meses.

Os ataques deixaram pelo menos 19 mortos e 105 feridos, o que provocou a indignação da comunidade internacional.

Um policial segura um fragmento de um drone com uma inscrição manuscrita dizendo “Por Belgrado. Por Luch” após um ataque de drone em Kiev.
Foto: Sergei SUPINSKY / AFP

Os disparos de Moscou voltaram a acontecer em 11 de outubro, mas em menor intensidade, e atingiram infraestruturas energéticas no oeste da Ucrânia, longe da linha de frente.

O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que os ataques foram uma resposta à explosão que danificou a ponte estratégica que liga a Rússia à península da Crimeia, anexada por Moscou

Na sexta-feira, Putin afirmou que estava satisfeito e que “no momento” não havia necessidade de executar mais ataques contra a Ucrânia.

Ele também afirmou que Moscou está fazendo tudo da “maneira correta” na ofensiva, apesar de alguns reveses consideráveis.

No sul da Ucrânia, as tropas de Kiev se aproximam de Kherson, que é única grande cidade ucraniana tomada pelos russos e que fica ao norte da Crimeia.

A região de Kherson é um dos quatro territórios ucranianos reivindicados como zonas anexadas por Moscou.

Após os ataques da semana passada, o governo dos Estados Unidos anunciou um novo pacote de ajuda militar de 725 milhões de dólares, incluindo sistemas lança-foguetes Himars.

Com a nova assistência, o total da ajuda militar concedida pelos Estados Unidos à Ucrânia chega a 17,6 bilhões de dólares desde o início da invasão russa em 24 de fevereiro.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo