Mundo

Rússia: opositor de Putin e mais de 1,5 mil manifestantes são detidos

[vc_row][vc_column][vc_column_text] Navalny não conseguiu concorrer na eleição presidencial por causa de uma condenação judicial que ele denuncia como perseguição política [/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text] O principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny, e mais de 1,5 mil dos seus partidários foram detidos neste sábado 5 durante manifestações contra o […]

Oposicionistas é detido em ato convocado por Alexei Navalny (Foto: Maxim ZMEYEV / AFP)
Apoie Siga-nos no

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Navalny não conseguiu concorrer na eleição presidencial por causa de uma condenação judicial que ele denuncia como perseguição política

[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text]

O principal opositor do Kremlin, Alexei Navalny, e mais de 1,5 mil dos seus partidários foram detidos neste sábado 5 durante manifestações contra o governo em toda a Rússia, dois dias antes da posse de Vladimir Putin para um quarto mandato presidencial.

Navalny não conseguiu concorrer na eleição presidencial de 18 de março, vencida por Putin com mais de 76% dos votos, por causa de uma condenação judicial que ele denuncia como perseguição política pelo Kremlin.

Milhares de manifestantes se reuniram em muitas cidades do país sob os lemas “A Rússia será livre!” e “Abaixo o czar!”.

Os protestos não foram autorizados pelas autoridades.

De acordo com a organização OVD-Info, especializada no monitoramento das prisões, pelo menos 1.599 partidários de Navalny foram detidos pela polícia durante o dia, incluindo 702 em Moscou, 232 em São Petersburgo e 164 em Chelyabinsk, nos Urais.

“As prisões foram brutais”, indicou a organização, observando que algumas pessoas detidas sofreram arranhões e contusões.

Pelo menos uma pessoa foi hospitalizada, enquanto muitos adolescentes estão entre os manifestantes presos, disse a fonte.

Em Moscou, a polícia usou gás lacrimogêneo e de força bruta para dispersar os manifestantes, mas centenas de partidários da oposição se reuniram no final da tarde na Praça Pushkin, no centro da capital russa, de acordo com jornalistas da AFP no local.

A polícia informou em um comunicado que deteve e levou cerca de 300 manifestantes a delegacias de Moscou e outros 200 em São Petersburgo.

Alexei Navalny foi preso logo após sua chegada à manifestação em Moscou, sob os aplausos da multidão, que gritava “vergonha!” em ucraniano, em referência a um famoso lema do levante pró-europeu da Praça Maidan em Kiev em 2014.

A organização Anistia Internacional denunciou em um comunicado “a dispersão violenta da manifestação em Moscou” e o uso “desproporcional” da força pela polícia.

“Putin ladrão!”

Manifestantes da oposição entraram em confronto com militantes pró-Kremlin, que também se reuniram no centro de Moscou.

Em São Petersburgo, a segunda maior cidade do país, milhares de pessoas marcharam na Nevsky Prospect, a famosa artéria central da antiga capital imperial, gritando “Putin, ladrão!” e “Fora Putin!”, de acordo com um jornalista da AFP no local.

Alguns manifestantes tentaram bloquear o tráfego de carros antes da intervenção da polícia. Os manifestantes jogaram ovos e garrafas de água na polícia, que respondeu com gás lacrimogêneo.

“Navalny pediu no YouTube para não deixarmos as eleições passarem em silêncio. Putin é um ladrão, ele forçou as pessoas a votarem”, disse Katia, manifestante de Moscou de 15 anos.

“Toda geração tem sua própria revolução. A minha é agora e vou contar aos meus filhos como libertei a Rússia de Putin, um ladrão que achava que era um czar”, disse Anton, outro manifestante de 22 anos.

Vários militantes pró-Navalny já haviam sido presos em manifestações na véspera, e algumas instalações da oposição foram invadidas pela polícia.

“O velho covarde Putin pensa que é um czar. Não é um czar e é por isso que temos protestar em 5 de maio”, escreveu Alexei Navalny no Twitter na sexta-feira.

Os observadores temiam que os protestos pudessem degenerar em confrontos com a polícia, seguidos de detenções em massa, como foi o caso durante os protestos contra o terceiro mandato de Putin em maio de 2012.

Leia também:
Vivemos uma nova Guerra Fria?
Putin vence eleição por ampla margem

Na véspera de sua posse, em 6 de maio de 2012, uma manifestação contra o Kremlin na praça Bolotnaya, em Moscou, foi marcada por violentos confrontos com a polícia. Vários manifestantes foram condenados a até quatro anos e meio de prisão pela violência em um processo denunciado por organizações de direitos humanos.

Vladimir Putin se prepara para tomar posse na segunda-feira para um quarto mandato, depois de mais de 18 anos de poder como chefe de Estado ou de governo.

*Leia mais em AFP

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo