Mundo

Rússia acusa a Noruega de bloquear trânsito para o arquipélago do Ártico

Segundo o cônsul da Rússia no arquipélago, a Noruega está bloqueando as mercadorias em aplicação das sanções europeias adotadas contra a Rússia por causa de sua ofensiva contra a Ucrânia

O presidente da Rússia, Vladimir Putin. Foto: Alexandr Demyanchuk/SPUTNIK/AFP
O presidente da Rússia, Vladimir Putin. Foto: Alexandr Demyanchuk/SPUTNIK/AFP
Apoie Siga-nos no

A Rússia acusou nesta quarta-feira 29 a Noruega de bloquear o trânsito de mercadorias destinadas a russos estabelecidos no arquipélago ártico norueguês de Svalbard e ameaçou Oslo com represálias.

“Cobramos da parte norueguesa que resolva essa questão o mais rápido possível”, informou a diplomacia russa em comunicado, anunciando que o encarregado de negócios norueguês em Moscou havia sido convocado ao ministério das Relações Exteriores.

“Enfatizamos que ações hostis em relação à Rússia levam a medidas de represália”, acrescentou.

Segundo a Rússia, a Noruega bloqueou no ponto de passagem terrestre de Storskog os equipamentos e alimentos que deveriam ser carregados a bordo de um navio com destino a Svalbard para os mineiros russos que vivem no arquipélago.

De acordo com Serguei Guchtchin, cônsul da Rússia no arquipélago ártico, são 20 toneladas de mercadorias, incluindo sete toneladas de produtos alimentícios e o restante de peças de reposição e equipamentos essenciais para se preparar para o inverno.

Ainda de acordo com o diplomata, a Noruega está bloqueando as mercadorias em aplicação das sanções europeias adotadas contra a Rússia por causa de sua ofensiva contra a Ucrânia.

“Acho que a Noruega não pensou bem ao aderir às sanções europeias”, disse ele.

O diplomata acrescentou que a Rússia está explorando rotas alternativas de abastecimento, inclusive partindo da Europa ou por mar da cidade russa de Murmansk.

Localizada a mil quilômetros do Polo Norte, Svalbard tem o dobro do tamanho da Bélgica e, por vezes, é considerada o “calcanhar de Aquiles da Otan no Ártico”.

Um tratado atípico, concluído em 1920 em Paris, reconhece a soberania da Noruega sobre Svalbard, mas também garante aos cidadãos dos Estados signatários, que hoje são 46 – incluindo a Rússia -, a liberdade de explorar os recursos naturais “em pé de igualdade”.

Em função deste tratado, há décadas, a Rússia – a URSS antes dela – vem extraindo carvão nessas terras habitadas por menos de 3.000 pessoas de cerca de cinquenta nacionalidades.

O vice-presidente do Conselho da Federação Konstantin Kosatchev acusou no Telegram Oslo de violar o Tratado de Paris.

“As autoridades norueguesas procuram fazer com que os mineiros russos fiquem sem comida, o que em si é imoral. Viola os direitos humanos e os princípios do humanitarismo”, acusou.

O cônsul russo, no entanto, negou qualquer risco de escassez de alimentos.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.