Mundo

Reino Unido registra dois casos da variante Ômicron

Os casos estão relacionados entre si e com uma viagem para o sul da África, dizem autoridades

Ilustração: Handout/US Food and Drug Administration/AFP
Ilustração: Handout/US Food and Drug Administration/AFP

O Reino Unido detectou dois casos de infecção pela nova variante Ômicron do coronavírus em pessoas “relacionadas com viagens para a África do Sul”, informou neste sábado 27 o Departamento de Saúde britânico.

“A Agência de Segurança Sanitária do Reino Unido (UKHSA) confirmou que foram identificados dois casos de Covid-19 com mutações compatíveis com [a variante] B.1.1.529 no Reino Unido”, disse o departamento em um comunicado, acrescentando que as pessoas infectadas e suas famílias ficarão isoladas.

“Os dois casos estão relacionados (entre si) e com uma viagem para o sul da África”, diz o comunicado. As autoridades de saúde destacaram que um deles foi detectado na cidade de Nottingham (centro) e a outra em Chelmsford (ao leste de Londres).

Para “enfrentar a evolução da situação”, o governo britânico decidiu endurecer a partir de 04h00 GMT (01h00 no horário de Brasília) de domingo as condições de entrada em seu território para as pessoas procedentes do Malawi, Moçambique, Zâmbia e Angola.

Quatro países se unem à lista que já conta com África do Sul, Namíbia, Lesoto, Essuatíni (ou Suazilândia), Zimbábue e Botsuana, colocados na “lista vermelha” do governo na sexta-feira.

Todas as pessoas procedentes desses países estão proibidas de entrar no Reino Unido, exceto se forem cidadãos britânicos ou residentes. Os que “tiverem voltado desses países nos últimos 10 dias devem se isolar e fazer um teste PCR”.

O governo britânico registra um dos saldos de mortes por Covid-19 mais graves do mundo, com mais de 140 mil pessoas, e registra atualmente um aumento dos casos, com cerca de mil hospitalizações por dia.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!