Mundo

Reino Unido convoca reunião urgente de ministros da Saúde do G7 sobre variante Ômicron

Uma reunião de emergência dos ministros da saúde do G7 será convocada para segunda-feira, 29 de novembro

O premiê britânico Boris Johnson. Foto: Hollie Adams/POOL/AFP
O premiê britânico Boris Johnson. Foto: Hollie Adams/POOL/AFP

O governo britânico, à frente da presidência rotativa do G7, anunciou neste domingo 28 uma “reunião de emergência” com seus ministros da Saúde para tratar da questão da variante Ômicron do coronavírus.

“Uma reunião de emergência dos ministros da saúde do G7 será convocada para segunda-feira, 29 de novembro, para discutir os desenvolvimentos sobre a Ômicron”, disse o Departamento de Saúde do Reino Unido em um comunicado, depois que vários casos foram relatados na Europa.

Com mais de cinco milhões de mortes em todo o mundo desde o início da pandemia em 2019, a Organização Mundial da Saúde considerou a nova variante, detectada essa semana, como “preocupante”.

Um grupo de especialistas da OMS afirma que, com os dados preliminares, a Ômicron apresenta “um risco alto de reinfecção”, maior que o de variantes como a Delta.

A variante Ômicron apresenta muito mais mutações que a cepa delta, segundo uma primeira “imagem” tridimensional, realizada e publicada pelo hospital Bambino Gesù de Roma.

“Isso não quer dizer automaticamente que essas mutações são mais perigosas, diz simplesmente que o vírus se adaptou mais uma vez à espécie humana gerando outra variante”, informaram os pesquisadores. “Outros estudos nos dirão se essa adaptação é neutra, menos ou mais perigosa”.

Depois de que a Ômicron foi identificada na África do Sul na última quinta-feira, muitos países reagiram fechando suas fronteiras com as nações do sul da África.

Os fabricantes de vacinas AstraZeneca, Pfizer/BioNTech, Moderna e Novavax se mostraram confiantes em sua capacidade de combater essa nova cepa.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!