Mundo

Reino Unido começa a aplicar a vacina da AstraZeneca/Oxford contra Covid-19

O britânico Brian Pinker, de 82 anos, foi o primeiro a receber o imunizante no Hospital Churchill

Foto: iStock/hocus-focus Foto: iStock/hocus-focus
Vacina da Covid
Foto: iStock/hocus-focus Foto: iStock/hocus-focus
Apoie Siga-nos no

O Reino Unido iniciou nesta segunda-feira 4 a imunização com a vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório britânico AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, acelerando a campanha nacional lançada no início de dezembro com o produto da Pfizer/BioNTech.

O britânico Brian Pinker, de 82 anos, foi o primeiro a receber o imunizante no Hospital Churchill, na Universidade de Oxford. Segundo o Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (NHS, sigla em inglês), 520 mil doses da vacina da AstraZeneca/Oxford estão prontas para distribuição em todo o país.

Com o rosto protegido por uma máscara, o aposentado arregaçou a manga da camisa diante das câmeras de televisão para que a enfermeira-chefe do Hospital Churchill de Oxford, Sam Foster, aplicasse a injeção.

“Estou muito feliz de receber a vacina hoje e muito orgulhoso que tenha sido desenvolvida em Oxford”, afirmou Pinker, de acordo com um comunicado divulgado pelo NHS. “Esse é o único jeito de recuperar um pouco a vida de antes”, reiterou.

“É um verdadeiro privilégio ter administrado a primeira vacina AstraZeneca/Oxford aqui no Hospital Churchill, a poucas centenas de metros de onde foi desenvolvida”, afirmou a enfermeira Sam Foster. Para o ministro britânico da Saúde, Matt Hancock, a utilização da vacina “é um marco importante no combate a esse vírus horrível”.

Mais barata e prática

A vacina da AstraZeneca/Oxford é menos cara, mais fácil de estocar e por isso é considerada mais adaptada a uma campanha de imunização em grande escala do que as concorrentes da Pfizer/BioNTech e Moderna, aprovadas e distribuídas em vários países, mas que necessitam de uma conservação a cerca de – 80º C.

O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar o imunizante da Pfizer/BioNTech e a iniciar a campanha de vacinação na Europa. Mais de um milhão de pessoas já foram imunizadas com o produto desenvolvido pelo laboratório americano em parceria com o grupo alemão. No entanto, o país aguardava ansiosamente a “vacina nacional”, como o produto da AstraZeneca/Oxford é chamado no país.

Com mais de 75 mil mortes por Covid-19, o Reino Unido é um dos países da Europa mais afetados pela doença e enfrenta uma nova onda de contágios desde a descoberta, em dezembro, de uma nova variante do vírus, mais contagiosa. Quase 55 mil pessoas testaram positivo para a doença nas últimas 24 horas, superando a marca de 50 mil pelo sexto dia consecutivo, de acordo com os dados oficiais publicados no domingo (3).

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.