Mundo

Rei britânico Charles III deixa o hospital após cirurgia de próstata

O monarca, de 75 anos, cumprimentou a multidão que o esperava ao sair da The London Clinic, acompanhado por sua esposa Camilla

Charles III sucedeu sua mãe Elizabeth II em setembro de 2022. Foto: Adrian Dennis/AFP
Apoie Siga-nos no

O rei Charles III deixou, nesta segunda-feira 29, o hospital de Londres onde estava internado após a operação de próstata a que foi submetido na sexta-feira 26, observou um jornalista da AFP.

O monarca, de 75 anos, vestido com terno e casaco pretos, cumprimentou a multidão que o esperava ao sair da The London Clinic, acompanhado por sua esposa Camilla.

“O rei recebeu alta do hospital nesta tarde após o tratamento médico previsto e reprogramou seus próximos compromissos públicos para permitir um período de recuperação”, informou o Palácio de Buckingham em comunicado.

Charles III foi operado na sexta-feira de uma hipertrofia “benigna” da próstata na London Clinic e a imprensa britânica noticiou neste dia que o monarca passava bem, citando fontes anônimas.

“Sua Majestade agradece a equipe médica e a todos que o ajudaram durante sua permanência no hospital, assim como a todas as amáveis mensagem que recebeu nos últimos dias”, concluiu o texto oficial.

Os detalhes da doença “benigna” do rei foram divulgados para incentivar os homens a fazer exames, uma vez que a monarquia não costuma se pronunciar sobre estes temas.

A saída de Charles III foi anunciada três horas após a comunicação de que sua nora, a princesa Kate, esposa do herdeiro da coroa britânica William, deixou o mesmo centro médico, duas semanas após ser submetida a uma misteriosa cirurgia “abdominal”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo