Quinze missionários dos EUA são sequestrados no Haiti

Os missionários e seus familiares voltavam de uma visita a um orfanato a cerca de 30 km de Porto Príncipe

CHANDAN KHANNA / AFP

CHANDAN KHANNA / AFP

Mundo

Cerca de 15 missionários americanos foram sequestrados no sábado 16 por uma gangue criminosa na periferia de Porto Príncipe, disse à AFP uma fonte de segurança haitiana.

Entre 15 e 17 americanos, entre eles crianças, estão nas mãos de um grupo armado que há meses realiza sequestros e roubos na região localizada entre a capital do Haiti e a fronteira com a República Dominicana, afirmou a fonte, que disse não poder confirmar se os sequestradores pediram pagamento de resgate.

 

 

“O bem-estar e a segurança dos cidadãos americanos no exterior é uma das nossas principais prioridades no Departamento de Estado. Sabemos desta informação e não temos nada a acrescentar no momento”, comentou com a AFP um porta-voz do governo dos EUA.

Na manhã de sábado, a gangue denominada “400 mawozo” desviou vários carros que transitavam por estradas que controla e sequestrou os americanos e cidadãos haitianos.

Os missionários e seus familiares voltavam de uma visita a um orfanato a cerca de 30 km de Porto Príncipe, disse à AFP uma fonte do serviço de segurança.

Para alguns membros dessa organização religiosa sediada em Ohio, EUA, esta era sua primeira viagem ao Haiti.

Em abril, 10 pessoas – incluindo 10 religiosos franceses – foram sequestradas por essa gangue na mesma região.

Libertado após 20 dias de cativeiro, o padre Michel Briand disse então à AFP que o grupo estava “em um lugar ruim, em um momento ruim” e que quem os sequestrou não planejou isso.

As gangues armadas, que durante anos controlaram os distritos mais pobres da capital haitiana, ampliaram seu poder para Porto Príncipe e seus arredores, onde o número de sequestros extorsivos está aumentando.

Mais de 600 crimes deste tipo foram registrados nos primeiros três trimestres de 2021, contra 231 no mesmo período de 2020, segundo o Centro de Análise e Investigação em Direitos Humanos, com sede na capital haitiana.

Uma profunda crise política paralisa o desenvolvimento socioeconômico do Haiti há muitos anos.

O assassinato em 7 de julho do presidente Jovenel Moïse por parte de um comando armado em sua residência privada mergulhou ainda mais o país caribenho na incerteza.Friederich Hayek, defensores do liberal-autoritarismo.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem