Mundo

Quem é o brasileiro eleito deputado por partido da extrema-direita de Portugal

Natural do Rio de Janeiro, Marcus do Santos foi eleito pelo Chega no Distrito do Porto

Reprodução Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O brasileiro Marcus Vinicius Teixeira Soares dos Santos foi eleito deputado pela região do Porto, nas eleições legislativas deste domingo 10, em Portugal.

Natural do Rio de Janeiro, ele deixou o Brasil para morar nos Estados Unidos, aos 18 anos, e está em Portugal desde 2009. Ele é casado com uma portuguesa e possui um filho de nacionalidade europeia.

O parlamentar é filiado ao partido de extrema-direita Chega, que quadruplicou a sua bancada representativa neste ano.

Marcus é o dirigente distrital do partido na cidade ao norte do país.

De acordo com uma reportagem de 2023 do site Visão, de Portugal, Santos é um ex-atleta de artes marciais mistas. Atualmente, ele é dono de uma escola de luta em Portugal.

De perfil conservador, o parlamentar possui publicações nas redes sociais contra o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Em um dos posts, ele afirmou que “bandidos” comemoravam a posse do petista em janeiro de 2023.

A eleição do extremista brasileiro foi celebrada pelo deputado Eduardo Bolsonaro (PL).

“Parabéns Marcus. Está fazendo história”, comentou o filho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), investigado por uma tentativa de golpe de Estado no Brasil, após ser derrotado nas eleições presidenciais de 2022.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo