Putin defende na ONU a vacina russa: ‘estamos dispostos a compartilhar nossa experiência’

Presidente da Rússia diz que mundo precisa de 'soluções inovadoras' para vencer a crise da Covid-19

PRESIDENTE DA RÚSSIA, VLADIMIR PUTIN. FOTO: REPRODUÇÃO

PRESIDENTE DA RÚSSIA, VLADIMIR PUTIN. FOTO: REPRODUÇÃO

Mundo

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, discursou na  Assembleia Geral das Nações Unidas nesta terça-feira 22. Ele exaltou o 75º aniversário da ONU e do fim da Segunda Guerra Mundial. “Seus princípios incluem a não-interferência em assuntos internos, os direitos dos povos de determinar seu próprio futuro, o não-uso de força ou da ameaça de força em disputas políticas”, ressaltou.

“A ONU não deveria ficar imóvel, mas evoluir de acordo com as dinâmicas do século XXI e constantemente se adaptar ao mundo moderno, que está ficando mais complicado, multipolar e multidimensional”, prosseguiu.

O mandatário russo destacou que o mundo está enfrentando “um novo desafio” com a pandemia do coronavírus. “Essa doença afetou diretamente milhões de pessoas e tirou o mais importante: a vida de centenas de milhares. Quarentenas, fronteiras fechadas e inúmeros problemas graves para os cidadãos de praticamente todos os países formam a realidade neste momento”, declarou.

Segundo Putin, “é evidente que levará um longo tempo para restaurar a economia global. Além disso, mesmo as medidas anticrise comprovadas não vão funcionar sempre. Precisaremos de soluções inovadoras. E a única forma de elaborá-las é trabalhando juntos”, analisou. “Em geral, livrar o mundo de barreiras, restrições e sanções ilegítimas ajudaria muito a revitalizar o crescimento global e reduzir o desemprego”, adicionou Putin.

Ele também fez questão de exaltar a atuação da Rússia no combate à Covid-19. “Registramos a primeira vacina do mundo, a Sputnik V. Gostaria de reiterar que estamos completamente abertos a parcerias e dispostos a cooperar. Estamos propondo a realização, em breve, de uma conferência virtual para países interessados na cooperação no desenvolvimento de vacinas contra o coronavírus. Estamos dispostos a compartilhar a nossa experiência e continuar a cooperar com outros Estados e entidades, inclusive no fornecimento da vacina russa, que se provou confiável, segura e efetiva, a outros países”, disse o presidente russo.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem