Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, vence o Nobel da Paz

O político foi responsável pela grande reconciliação entre seu país e a Eritreia

Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, o Nobel da Paz de 2019
(Foto: EDUARDO SOTERAS / AFP)

Primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, o Nobel da Paz de 2019 (Foto: EDUARDO SOTERAS / AFP)

Mundo

O primeiro-ministro da Etiópia, Abiy Ahmed, artífice da grande reconciliação entre seu país e a Eritreia, foi anunciado nesta sexta-feira 11 como o vencedor do Prêmio Nobel da Paz.

Abiy recebe o prêmio “por seus esforços para alcançar a paz e pela cooperação internacional, particularmente por sua iniciativa decisiva destinada a solucionar o conflito na fronteira com a Eritreia”, declarou a presidente do Comitê Nobel Norueguês, Berit Reiss-Andersen.

O prêmio também deseja “expressar um reconhecimento a todos os atores que trabalham pela paz e a reconciliação na Etiópia e nas regiões do leste e nordeste africanos”, completou.

O Comitê Nobel destacou especialmente o trabalho do presidente da Eritreia, Issaias Afworki.

“A paz não é alcançada apenas com as ações de uma única pessoa. Quando o primeiro-ministro Abiy estendeu a mão, o presidente Afwerki aceitou e ajudou a dar forma ao processo de paz entre os dois países”, afirmou o Comitê.

A Etiópia celebrou a vitória de Abiy Ahmed

“Estamos orgulhosos como país”, afirma uma mensagem no Twitter do gabinete do chefe de Governo, que considera o prêmio um “reconhecimento” do trabalho do primeiro-ministro em favor da “cooperação, unidade e coexistência”.

Mais de 300 personalidades e organizações eram candidatas este ano a receber o Nobel da Paz.

Em 2018, o Comitê atribuiu o prêmio ao ginecologista Denis Mukwege (República Democrática do Congo) e a yazidi Nadia Murad, por sua luta contra a violência sexual.

Junte-se ao grupo de CartaCapital no Telegram

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem