Mundo

Presidente uruguaio firma decreto de legalização da maconha

Texto estabelece que consumidores maiores de 18 anos, residentes no país e inscritos como usuários poderão comprar até 10 gramas semanais nas farmácias autorizadas

Camiseta com a estampa "Mujicannabis" é vista em loja de Montevidéu, em 24 de abril de 2014
Apoie Siga-nos no

O presidente do Uruguai, José Mujica, firmou na terça-feira 6 o decreto que estabelece como será implementada a lei – aprovada em dezembro passado – que legaliza a produção, distribuição e venda da maconha no país.

O decreto estabelece que os consumidores – maiores de 18 anos, residentes no país e inscritos como usuários – poderão comprar até 10 gramas semanais de maconha, nas farmácias autorizadas.

A maconha legal terá 15% de concentração de tetrahidro cannabinol (THC), princípio psicoativo da cannabis, e será vendida em cinco variedades, ao custo de entre 20 e 22 pesos por grama (0,9 dólar). A maconha será plantada pela iniciativa privada em terras do Estado, e deverá chegar às farmácias até o final do ano.

A lei também permite o plantio para o consumo pessoal e em clubes de fumantes, que deverão estar inscritos no Instituto de Regulação e Controle de Cannabis (Ircca), que entrará em atividade nos próximos dias.

O Uruguai se tornou em dezembro passado o primeiro país do mundo a regulamentar a produção, distribuição e venda da maconha, uma iniciativa promovida por Mujica para combater o tráfico de drogas.

“A principal bandeira da lei é o combate ao narcotráfico”, disse Mujica no domingo. “No mundo do crime havia códigos, mas com o advento da cultura narco, vale tudo, qualquer coisa. Metodologicamente, contagia todas as outras formas de crime. A luta será muito longa”, declarou à rádio Montecarlo.

O plano uruguaio tem sido criticado pela Junta Internacional de Fiscalização e Entorpecentes (JIFE), da ONU. Mas é visto com interesse por organizações civis e pela Organização de Estados Americanos (OEA), que em maio chamou a considerar uma eventual legalização da maconha como forma de luta contra o narcotráfico.

“Todos os países do hemisfério estão muito interessados no que está acontecendo aqui, há um debate muito aberto e há bastante interesse em ver como o processo continua”, comentou à AFP Paul Simons, secretário executivo da Comissão Interamericana para o Controle do Abuso de Drogas (CICAD), da OEA, que visitou Montevidéu na segunda-feira 5.

Leia mais em AFP Móvel

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo