Mundo

Premiê canadense diz ter informação de que Irã derrubou avião ucraniano

Entre as 176 pessoas mortas na queda do avião perto de Teerã, 63 passageiros eram canadenses

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau (Foto: Dave Chan / AFP)
O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau (Foto: Dave Chan / AFP)
Apoie Siga-nos no

O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, anunciou nesta quinta-feira 9 que várias fontes de Inteligência, incluindo os serviços canadenses, sugerem que o Boeing 737, que caiu na véspera perto de Teerã, foi “derrubado por um míssil terra-ar iraniano”.

“Temos informação de múltiplas fontes, incluídos nossos aliados e nossos serviços, que indica que o avião foi derrubado por um míssil terra-ar iraniano. Pode ser que não tenha sido intencional”, disse Trudeau em coletiva de imprensa.

O premiê canadense insistiu em que estes últimos acontecimentos “reforçam a necessidade de uma investigação exaustiva sobre este assunto”. “Como disse ontem, os canadenses têm perguntas e merecem respostas”, disse.

O desastre, que resultou na morte de 176 pessoas, incluindo 63 canadenses, ocorreu pouco depois de Teerã disparar mísseis contra bases militares utilizadas pelo Exército americano no Iraque.

O voo PS752, da Ukrainian International Airlines (UIA), decolou no começo da manhã de quarta-feira 8 de Teerã (hora local, noite de terça no Brasil), com destino a Kiev, mas caiu logo depois.

O presidente americano, Donald Trump, expressou nesta quinta suas “suspeitas” sobre as causas do ocorrido quando, segundo vários veículos, a Inteligência americana está cada vez mais convencida de que o avião foi derrubado pelo Irã por engano.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.