Mundo

Polícia intensifica busca por atirador do metrô de NY

Armado com uma pistola, o suspeito colocou uma máscara de gás enquanto o trem entrava na estação. Depois, abriu duas latas de fumaça e começou a atirar, relatou a polícia

Créditos\; SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
Créditos\; SPENCER PLATT / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP
Apoie Siga-nos no

Passageiros nervosos lotaram o metrô de Nova York nesta quarta-feira 13, enquanto a polícia intensifica a busca pelo atirador que disparou contra dez pessoas em um vagão no dia anterior.

O prefeito de Nova York, Eric Adams, pediu aos moradores que fiquem “vigilantes”, mas disse que não há evidências de que o atirador tenha um cúmplice, acrescentando: “Parece que ele agiu sozinho”.

“Estamos prestando um serviço completo em todas as linhas, depois que a NYPD (sigla de Polícia de Nova York, em inglês) concluiu sua investigação”, disse a autoridade de trânsito desta cidade de quase nove milhões de pessoas.

O organismo ressaltou que o serviço está operando “normalmente”, embora pouco depois tenha reportado alguns atrasos.

O incidente da terça-feira 12 no Brooklyn, que não causou mortes, não está sendo investigado como um ato de terrorismo e nenhum dos feridos corre risco de morte.

A polícia identificou uma pessoa “potencialmente suspeita” deste ataque que também deixou 13 feridos por inalação de fumaça, ou durante a correria para fugirem da estação. As autoridades ofereceram uma recompensa de US$ 50.000 por qualquer informação que leve à sua prisão.

Armado com uma pistola, o suspeito colocou uma máscara de gás enquanto o trem entrava na estação. Depois, abriu duas latas de fumaça e começou a atirar, relatou a polícia.

“O que se viu foi como uma bomba de fumaça, fumaça preta explodindo e depois… as pessoas indo para a parte de trás”, disse à CNN uma das vítimas do tiroteio, Hourari Benkada, ao descrever o momento em que os passageiros começaram a fugir, correndo para o fim do vagão.

Benkada contou que embarcou no primeiro vagão, na Rua 59, e se sentou ao lado do atirador. Como estava de fones de ouvido, não percebeu nada até o vagão começar a encher de fumaça. De início, também não percebeu os tiros e tentou tranquilizar uma grávida que estava ao seu lado.

“Fui empurrado e foi quando levei um tiro na parte de trás do joelho”, acrescentou.

Potencial suspeito

O atirador disparou 33 tiros, disse o chefe da polícia de Nova York, James Essig.

A polícia encontrou uma pistola Glock 17 de 9mm e depois pentes de munição adicionais e um machado.

Segundo Hourari Benkada, os disparos teriam durado pelo menos um minuto. Ele disse ter ouvido cerca de dez tiros.

A polícia identificou um homem de 62 anos chamado Frank James, como “potencialmente suspeito”, e divulgou sua fotografia.

Seu cartão de crédito e as chaves da van que ele havia alugado foram encontrados no local do ataque.

James já havia postado vários vídeos no YouTube, nos quais aparece fazendo longos, e às vezes agressivos, comentários políticos, incluindo críticas ao prefeito Adams.

Nova York tem registrado um aumento nos tiroteios este ano. Os crimes violentos são uma das principais preocupações de Adams, que assumiu o cargo em janeiro passado.

Até 3 de abril, os incidentes com armas de fogo subiram para 296, ante 260 no mesmo período do ano passado, segundo estatísticas da polícia.

Leis pouco restritivas e o direito constitucional de portar armas complicam as tentativas de conter o número de armas que circulam nos Estados Unidos, mesmo que a maioria dos americanos seja a favor de um controle maior.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.