Mundo

Polêmica sobre agência da ONU distrai da crise humanitária em Gaza, alerta OMS

O porta-voz lamentou que a discussão sobre a UNRWA, “por mais importante que seja, desvie a atenção dos quase 27.000 mortos, 70% deles mulheres e crianças” em Gaza

Reunião da Assembleia-Geral da ONU sobre o conflito entre Israel e Hamas, em 27 de outubro. Foto: Andrea Renault/AFP
Apoie Siga-nos no

A polêmica em torno da agência da ONU para os refugiados palestinos (UNRWA, na sigla em inglês), com alguns de seus funcionários sendo acusados por Israel de participação nos ataques de 7 de outubro, “desvia a atenção” da crise humanitária em Gaza, lamentou a OMS nesta terça-feira (30).

“As atividades criminosas não devem ficar impunes. Mas a discussão atual serve apenas para desviar a atenção do que realmente acontece todos os dias, todas as horas, todos os minutos em Gaza”, declarou o porta-voz da Organização Mundial da Saúde (OMS), Christian Lindmeier.

Muitos países suspenderam o financiamento à UNRWA após as acusações israelenses, colocando em risco suas operações de ajuda à população civil da Faixa de Gaza, devastada por quase quatro meses de guerra e imersa em uma grave crise humanitária.

Lindmeier lembrou que o diretor da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, pediu aos doadores “para não suspenderem o financiamento à UNRWA nesse momento crítico”, porque “prejudicará apenas a população de Gaza que precisa desesperadamente de ajuda”.

O porta-voz lamentou que a discussão sobre a UNRWA, “por mais importante que seja, desvie a atenção dos quase 27.000 mortos, 70% deles mulheres e crianças” em Gaza.

Em 7 de outubro, combatentes do Hamas lançaram um ataque em território israelense que deixou 1.140 mortos, a maioria mulheres e crianças, segundo um relatório da AFP baseado em números israelenses. Entre os mortos, estavam mais de 300 soldados.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo