Poeta americana Louise Glück leva o Nobel de Literatura

Escritora iniciou sua carreira nos anos 1960

Poeta americana Louise Gluck vence o Prêmio Nobel de Literatura. Foto: AFP.

Poeta americana Louise Gluck vence o Prêmio Nobel de Literatura. Foto: AFP.

Mundo

A poeta americana Louise Glück, de 77 anos, é a vencedora do Prêmio Nobel de Literatura de 2020 – anunciou a Academia Sueca nesta quinta-feira 8, reconhecendo uma carreira iniciada nos anos 1960.

Glück foi premiada por sua “inconfundível voz poética, que, com uma beleza austera, torna a existência individual universal”, afirmou a instituição.

A infância e a vida em família, a relação estreita entre os pais e os irmãos e irmãs são alguns dos temas abordados em sua obra.

“Averno” (2006) é a sua coleção magistral de poemas, uma interpretação visionária do mito da descida ao inferno de Perséfone, raptada por Hades, deus da morte. Outro trabalho marcante é sua mais recente compilação, “Faithful and Virtuous Night” (Noite Fiel e Virtuosa), de 2014.

Dois anos depois do prêmio para a polonesa Olga Tokarczuk, Louise Glück é a 16ª mulher premiada com o Nobel de Literatura, em um ano de forte presença feminina.

Com três premiadas nas categorias científicas do Nobel, esta temporada pode bater o recorde de mulheres laureadas (cinco em 2009). Dois prêmios ainda serão anunciados: o da Paz, na sexta-feira (9), e o de Economia, na segunda (12).

Após uma série de escândalos e de polêmicas que abalaram o prêmio literário mais famoso do mundo nos últimos anos, a escolha de 2020 da Academia Sueca era especialmente imprevisível, segundo os críticos.

O prêmio de 2019 foi concedido ao escritor austríaco Peter Handke, mas suas opiniões favoráveis ao falecido líder sérvio Slobodan Milosevic provocaram grande polêmica.

Há três anos, um escândalo sexual abalou a Academia Sueca, o que provocou o adiamento do anúncio do prêmio de 2018 para 2019.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem