PIB da China: País recupera crescimento econômico após crise de Covid-19

PIB chinês subiu 4,9% em ritmo anual no terceiro trimestre

A China, locomotiva do crescimento mundial há três décadas, deve crescer 4,9%. Foto: AFP

A China, locomotiva do crescimento mundial há três décadas, deve crescer 4,9%. Foto: AFP

Mundo

O crescimento da China acelerou no terceiro trimestre do ano, enquanto a maioria das principais economias do mundo sofrem as consequências da pandemia de Covid-19, de acordo com dados oficiais publicados nesta segunda-feira 19.

 

 

O Produto Interno Bruto (PIB) chinês subiu 4,9% em ritmo anual no terceiro trimestre, anunciou o Escritório Nacional de Estatísticas (NBS). Apesar de recebido com cautela, o índice oficial do PIB sempre é examinado de perto pelo peso do país na economia mundial.

A China, onde o vírus surgiu em dezembro, antes da propagação por todo o mundo, parece ser um termômetro da recuperação prevista da economia mundial.

O gigante asiático é o primeiro país a retomar a atividade econômica, graças a um “confinamento estrito, testes de detecção em larga escala e o acompanhamento dos casos de contato”, afirmou à AFP o analista Ting Lu, do banco de investimentos Nomura.

Em plena pandemia e no momento em que o vírus havia praticamente paralisado o país, o crescimento no primeiro trimestre registrou o mínimo histórico (-6,8% em ritmo anual).

O PIB se recuperou no segundo trimestre (+3,2%), consequência da notável melhoria nas condições sanitárias.

Nos próximos meses, a economia chinesa “continuará recuperando impulso”, em particular graças ao consumo interno e a temporada de férias, favorável às exportações, segundo o analista Rajiv Biswas do IHS Markit.

Em setembro, as vendas no varejo a produção industrial permaneceram nos níveis mais elevados desde o início do ano.

Mas o setor de exportação, um pilar da economia chinesa, continua sendo especialmente vulnerável, no momento em que os principais sócios comerciais de Pequim, em particular a União Europeia, enfrentam uma nova onda de contágios.  “E a China não é, de nenhuma maneira, imune a uma nova onda”, adverte Lu.

 

 “Riscos e incertezas”

 

Após a descoberta de um pequeno foco do coronavírus, a cidade de Qingdao (leste) organizou testes na semana passada, em caráter de urgência, em mais de 10 milhões de pessoas.

A taxa de desemprego, que na China é calculada apenas nas zonas urbanas, ficou em 5,4% em setembro, contra 5,6% em agosto.

O dado, porém, exclui os milhões de trabalhadores migrantes, afetados pela pandemia. A taxa de desemprego atingiu em fevereiro o máximo histórico de 6,2% da população ativa urbana e continua acima do nível anterior à pandemia.

Nos últimos meses, várias províncias ou municípios adotaram ações comerciais com vales ou descontos para estimular o consumo e, em última instância, para apoiar o emprego.

A China deve ser a única das grandes economias do planeta a registrar resultado positivo este ano.

Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) quase dobrou a previsão de crescimento econômico para a China em 2020, a 1,9%, e citou um “retorno à normalidade mais rápido que o esperado”.

Mas o Escritório Nacional de Estatísticas, que recebeu com satisfação a notícia da “recuperação sustentável” no terceiro trimestre, advertiu nesta segunda-feira que ainda existem “riscos e incertezas”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem