Mundo

Pesquisa aponta queda no apoio à monarquia britânica

78% dos jovens entrevistados também afirmam não ter qualquer interesse pela família real

Charles III em cerimônia que o proclamou rei. Foto: Victoria Jones/AFP
Apoie Siga-nos no

A maioria dos britânicos permanece a favor da monarquia, mas o apoio ao rei diminuiu entre os mais jovens, segundo uma pesquisa publicada nesta segunda-feira (24), a menos de duas semanas da coroação de Charles III.

A pesquisa, realizada virtualmente pelo instituto YouGov em meados de abril, revela que 58% dos 4.592 britânicos entrevistados acreditam que um monarca é melhor do que um chefe de Estado eleito democraticamente.

Embora a maioria dos britânicos continue a apoiar a monarquia, o respaldo diminuiu. Em 2012, cerca de 75% dos britânicos preferiam um monarca a um político eleito democraticamente, de acordo com outra pesquisa do YouGov sobre os 60 anos de reinado de Elizabeth II.

A nova pesquisa, encomendada pela BBC, destaca diferenças significativas de opinião com base na idade: 78% das pessoas com mais de 65 anos são favoráveis à monarquia, número que cai para 32% na faixa 18-24 anos.

Nessa faixa etária, 38% desejam um chefe de Estado designado por eleições e 30% declaram não ter opinião; 78% dos jovens entrevistados também afirmam não ter qualquer interesse pela família real.

Outra pesquisa, realizada em meados de abril, indicou que quase dois terços dos britânicos não estão interessados na coroação que acontecerá em 6 de maio; 59% dos mais jovens consideram que Charles III está “desconectado” dos cidadãos. O mesmo sentimento prevalece para 45% dos britânicos.

O custo que a coroação pode acarretar, que não foi divulgado até o momento, desencadeou uma onda de críticas em um país com 10% de inflação.

Apesar de tudo, 54% dos britânicos acreditam que a instituição continua sendo positiva para o país e contribui mais do que custa, embora os mais jovens sejam mais céticos (40%).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo