Mundo

Pelo menos 145 ativistas de Direitos Humanos foram assassinados na Colômbia em 2021

O número é inferior ao de 2020, mas mostra o aumento da violência após o processo de paz de 2016 no país

Povo colombiano protesta contra autoritarismo do governo Iván Duque. Foto: Juan Barreto/AFP
Povo colombiano protesta contra autoritarismo do governo Iván Duque. Foto: Juan Barreto/AFP
Apoie Siga-nos no

Pelo menos 145 ativistas dos Direitos Humanos foram assassinados no ano passado na Colômbia, um número inferior ao de 2020, mas que mostra o aumento da violência após o processo de paz de 2016 no país, revelou a Ouvidoria na segunda-feira 17.

 

Durante 2021, “foram registrados 145 homicídios contra lideranças sociais e defensores de direitos humanos”, disse em comunicado a entidade que zela pelas garantias fundamentais.

O número é inferior ao de 2020, quando a Ouvidoria identificou 182 casos.

O órgão estabeleceu que entre os mortos estão 32 representantes indígenas, 16 lideranças camponesas ou agrárias e sete sindicalistas.

“Repudiamos esses eventos que ocorrem principalmente por ações criminosas de grupos armados ilegais”, disse o chefe da Ouvidoria, Carlos Camargo, sem dar detalhes sobre os supostos autores desses ataques.

Desde a assinatura da paz com a guerrilha das Farc em 2016, os homicídios contra líderes sociais têm sido recorrentes. Organizações sociais denunciam que guerrilheiros ainda armados, integrantes de grupos de narcotráfico e agentes do Estado estão por trás das mortes.

Os departamentos com maior número de casos foram Antioquia (24), Cauca (22) e Valle del Cauca (19), corredores do narcotráfico.

As Farc operavam nessas três regiões e os territórios em que atuavam estão em disputa devido aos milhares de hectares de cultivo de drogas ou minas de ouro ilegais e outros recursos.

A Colômbia é um dos países mais perigosos do mundo para os ativistas, segundo ONGs como a Global Witness, que o aponta como o mais mortífero para os ambientalistas (65 mortes em 2020).

O governo do presidente conservador Iván Duque acusa o narcotráfico de estar por trás dos assassinatos.

A Colômbia, o maior produtor de cocaína do mundo, vive o pior surto de violência após a assinatura do acordo de paz com o outrora mais poderoso grupo guerrilheiro das Américas.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.