Mundo

Pedro Sánchez toma posse como premiê da Espanha

[vc_row][vc_column][vc_column_text] Novo chefe de governo, de 46 anos, deve iniciar uma nova era no país, governado pelos conservadores desde 2011 [/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text] O socialista Pedro Sánchez tomou posse oficialmente neste sábado 2 como presidente do governo da Espanha, diante do rei Felipe 6° e na presença de seu […]

Sánchez prestou juramento sem fazer uso da Bíblia e do crucifixo, como é tradicional na Espanha (Foto: Emilio Naranjo/POOL/AFP)
Apoie Siga-nos no

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Novo chefe de governo, de 46 anos, deve iniciar uma nova era no país, governado pelos conservadores desde 2011

[/vc_column_text][vc_empty_space][vc_column_text]

O socialista Pedro Sánchez tomou posse oficialmente neste sábado 2 como presidente do governo da Espanha, diante do rei Felipe 6° e na presença de seu antecessor, o conservador Mariano Rajoy.

Na cerimônia, celebrada no Palácio da Zarzuela, em Madri, Sánchez prestou juramento sem fazer uso da Bíblia e do crucifixo, como é tradicional na Espanha. A opção de abrir mão dos símbolos cristãos na posse existe desde julho de 2014, criada pouco depois da proclamação de Felipe 6°.

Líder do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE), Pedro Sánchez é um economista de 46 anos e o primeiro chefe de governo que chega ao cargo depois de ganhar uma moção de censura, que derrubou na sexta-feira 1 o líder do conservador Partido Popular (PP), Mariano Rajoy.

O episódio foi desencadeado por uma condenação de uso de caixa 2 por políticos do PP.

Por uma peculiaridade da Constituição espanhola que visa evitar vácuos de poder, o autor de um pedido bem-sucedido de moção de censura pode ser nomeado novo chefe de governo.

Para derrubar Rajoy era necessário o apoio de 176 deputados – o socialista conseguiu 180. Em 2015, Sánchez chegou a dizer que o rival não era um político “decente”, por causa dos casos de corrupção protagonizados nos últimos anos por seus correligionários.

O novo premiê, vai ser o terceiro socialista a comandar o governo espanhol desde 1977, na era pós-Franco. No poder, vai liderar um governo de minoria e provavelmente terá que procurar apoio de outros grupos políticos e ainda acomodar as exigências de partidos menores que apoiaram sua moção contra Rajoy.

Leia também: O que esperar do socialista Pedro Sánchez, novo premiê da Espanha?

Por décadas, a política espanhola foi marcada pelo bipartidarismo. O PSOE e o PP dividiam entre si largas fatias do eleitorado. Até 2011, por exemplo, as duas legendas acumulavam 84% dos votos e 92% dos mandatos parlamentares.

No entanto, o sistema começou a ruir quando milhões de eleitores debandaram para novas legendas, como o Podemos e o Cidadãos. Hoje a política espanhola está dividida em pelo menos quatro forças e legendas nacionalistas nanicas viram seu poder de barganha aumentar em meio às disputas políticas.

O partido de Sánchez, o PSOE, só conta com 84 dos 350 deputados da Câmara.

O Senado, por sua vez, é dominado pelo PP. A moção do socialista chegou a receber o apoio do partido de esquerda Podemos, que tem 69 deputados, mas a convivência entre as duas legendas promete não ser tranquila, segundo aponta a imprensa espanhola, já que ambos disputam o mesmo eleitorado.

A convivência também deve ser difícil com o partido Ciudadanos (Cidadãos), que se opôs à moção e conta com 32 deputados. A legenda liberal tem apresentado bons números nas pesquisas eleitorais e exige eleições antecipadas antes do fim da atual legislatura – e consequentemente ante do término do mandato de Sánchez como premiê –, que deve ser encerrada em 2020.

DW_logo.jpg

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo