Mundo

Partido que levou presidente do Peru ao poder passa à oposição

Castillo renunciou à sua militância no Peru Livre, algo que a cúpula partidária havia pedido há dois dias, sob a ameaça de expulsá-lo

O presidente do Peru, Pedro Castillo. Foto: Presidencia Perú
O presidente do Peru, Pedro Castillo. Foto: Presidencia Perú
Apoie Siga-nos no

O partido marxista-leninista Peru Livre, que levou Pedro Castillo à presidência, será agora de oposição, anunciou nesta quinta-feira 30 o líder de sua bancada parlamentar, o que aumenta o isolamento do governante.

Castillo, por sua vez, renunciou à sua militância no Peru Livre, algo que a cúpula partidária havia pedido há dois dias, sob a ameaça de expulsá-lo.

“Definitivamente, não somos uma bancada governista”, disse o parlamentar Waldemar Cerrón, líder da bancada e irmão do líder do partido, Vladimir Cerrón. Como expressão dessa nova posição, o parlamentar antecipou que a bancada votará hoje a favor da censura ao ministro do Interior, Dimitri Senmache.

Ele argumentou que o Peru Livre atuará como uma “oposição propositiva”, ao contrário da “oposição obstrucionista” dos partidos de direita que dominam o Congresso. “Não seremos uma bancada que estará se opondo por se opor”, disse Cerrón.

As diferenças entre o Peru Livre e Castillo se aprofundaram na última terça-feira, depois que o partido lhe pediu que renunciasse “irrevogavelmente” à sua militância, um passo que o presidente finalmente deu nesta quinta.

“Apresentei ao Tribunal Eleitoral Nacional [JNE, na sigla em espanhol] minha renúncia irrevogável de filiação ao partido político Peru Livre. Tal decisão se deve à minha responsabilidade como presidente de 33 milhões de peruanos”, escreveu Castillo em suas redes sociais.

“Sinto respeito pelo partido e por suas bases construídas na campanha” eleitoral de 2021, acrescentou.

O Peru Livre acusa Castillo de não ter colocado em prática o programa do partido, nem cumprido suas promessas eleitorais, e fazer justamente o contrário, “implementar o programa neoliberal perdedor”.

Vladimir Cerrón, um médico formado em Cuba, tuitou que a decisão era um “acordo unânime de Partido, Comissão Política e Bancada”.

O conflito entre Peru Livre e Castillo ocorre no momento em que uma comissão do Congresso que investiga o presidente por corrupção irá recomendar uma acusação constitucional contra ele, o que pode acarretar um pedido de destituição do cargo, que ocupa há 11 meses.

O Peru Livre acusa Castillo de minar a “unidade e a disciplina” partidárias, após a divisão da bancada governista em três blocos. O partido conta agora com apenas 16 dos 37 parlamentares que obteve nas eleições de 2021, e se tornou a principal minoria em um Congresso onde nenhum partido tem a maioria.

Castillo, um professor rural de 52 anos, foi candidato presidencial pelo Peru Livre, partido ao qual chegou como “candidato convidado” em setembro de 2020.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.