Mundo

Papa pede mundo ‘mais inclusivo’ no Dia Mundial do Migrante e do Refugiado

Líder católico vem de uma família de emigrantes italianos radicados na Argentina

PAPA FRANCISCO. FOTO: ALBERTO PIZZOLI/AFP
PAPA FRANCISCO. FOTO: ALBERTO PIZZOLI/AFP

O papa Francisco pediu, neste domingo 26, “um mundo cada vez mais inclusivo”, por ocasião do Dia Mundial do Migrante e do Refugiado. O papa, que vem de uma família de emigrantes italianos radicados na Argentina, fez do acolhimento dos migrantes um dos principais temas de seu pontificado, iniciado em 2013.

 

O profundo engajamento do papa ao lado dos migrantes se repetiu neste domingo.

“É necessário caminhar juntos, sem preconceitos e sem medo, ao lado daqueles que são mais vulneráveis: migrantes, refugiados, deslocados, vítimas do tráfico e abandonados”, declarou Francisco de uma janela do palácio apostólico na Praça de São Pedro, após a tradicional oração do Angelus.

Inúmeras vezes, nos últimos anos, Francisco denunciou as condições precárias de acolhimento dos refugiados na Europa, chegando a compará-las com campos de concentração. Em março de 2016, ele chegou a lavar os pés de refugiados durante uma cerimônia, pedindo uma reflexão sobre abusos e perseguições.

“Somos chamados a construir um mundo cada vez mais inclusivo, que não exclua ninguém”, insistiu. “Uno-me àqueles que, em diferentes partes do mundo, estão celebrando este dia”, disse o pontífice ao saudar as numerosas comunidades estrangeiras que o ouviam na praça.

Ele pediu aos fiéis e turistas que fossem contemplar uma enorme escultura instalada na Praça de São Pedro em setembro de 2019. O monumento, um barco com 140 emigrantes de vários países, religiões e épocas históricas, representa esta inclusão sonhada pelo papa.

“Antes de deixar a praça, convido-os a se aproximarem daquele monumento ali, onde está o Cardeal Czerny: o barco com os migrantes, e parar e olhar para aquelas pessoas e ver naquele olhar a esperança que todo migrante tem hoje de começar a viver novamente. Vão até lá. Vejam esse monumento. Não fechemos as portas à sua esperança.”

Um pouco antes em sua fala, o papa havia denunciado o “fechamento”, que considera a “raiz de muitos males da história, do absolutismo que muitas vezes gerou ditaduras e de muitas violências contra os diferentes”.

Com informações da AFP

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!