Papa diz desejar “igreja pobre para os pobres”

Mundo

O papa Francisco afirmou neste sábado 16 que deseja uma “Igreja pobre e para os pobres” e explicou como escolheu o nome com o qual exercerá o pontificado, ao receber jornalistas de todo o mundo para uma audiência na sala Paulo VI do Vaticano.

O pontífice argentino, que foi muito aplaudido pelos milhares de jornalistas presentes, explicou que São Francisco de Assis, o santo no qual se inspirou, era “o homem da pobreza, o homem da paz”. “Como eu gostaria de uma igreja pobre e para os pobres”, acrescentou o Papa, muito aplaudido neste momento. Francisco tem surpreendido o mundo com a mensagem pelo retorno da Igreja a sua essência, com um discurso de humildade e senso de humor.

O Papa Francisco explicou que o nome foi inspirado por um comentário do cardeal brasileiro Claudio Hummes, arcebispo emérito de São Paulo, “um grande amigo”, que sentou ao seu lado durante o conclave. “Quando a coisa estava ficando um pouco perigosa, ele me reconfortava. E quando os votos alcançaram os dois terços e os aplausos chegaram porque havia sido eleito papa, ele me abraçou, deu um beijo e disse: ‘Não te esqueças dos pobres'”, declarou o novo pontífice.

Em uma audiência de 30 minutos, o primeiro papa jesuíta da Igreja Católica também recordou que a instituição, desacreditada por vários escândalos, não tem “uma natureza política, e sim espiritual”. “A Igreja é uma instituição humana, histórica, com tudo o que comporta, mas não tem uma natureza política, e sim essencialmente espiritual”, explicou o pontífice em um discurso interrompido em vários momentos pelos aplausos. “É o povo de Deus, o santo povo de Deus, que caminha para o encontro com Jesus Cristo”, destacou.

Também contou que, após sua eleição, recebeu a sugestão de utilizar o nome de Clemente XV, já que o papa Clemente XIV aboliu a Companhia de Jesus no fim do século XVIII. Um cardeal propôs o nome de Adriano, em referência a um papa que foi um grande reformista.

Na audiência com os jornalistas, uma tradição nos últimos papados após a eleição de um novo pontífice, Francisco agradeceu o trabalho dos milhares de jornalistas enviados ao Vaticano. “Vocês têm trabalhado muito, trabalhado muito”, brincou em italiano o pontífice argentino, que repetiu o agradecimento pelo trabalho intenso desde o anúncio da renúncia de Bento XVI em 11 de fevereiro, oficializada no dia 28.

O tempo dirá se o espírito do santo dos pobres guiará seu pontificado, mas no momento o novo papa parece ter conquistado o mundo com sua simplicidade e carisma. O papa argentino, o primeiro latino-americano da história, pediu novamente o retorno à espiritualidade da instituição. “O coração da Igreja é Cristo, e não o sucessor de Pedro”, disse, em referência ao Papa. “Sem ele, nem Pedro nem a Igreja existiriam e não teriam razão de ser”, afirmou.

Após o discurso, saudou todos os funcionários dos serviços de comunicação do Vaticano, em especial o padre Federico Lombardi, o porta-voz da Santa Sé e o rosto mais visível da Igreja desde a renúncia de Bento XVI. Quase 5.600 jornalistas estavam credenciados para a cobertura do conclave que terminou com a eleição de Francisco.

Francisco visitará Bento XVI no dia 23 de março em Castelgandolfo, a residência papal próxima de Roma onde o papa emérito mora desde sua histórica renúncia. Antes, na próxima segunda-feira, o pontífice argentino receberá a presidente de seu país, Cristina Kirchner, com a qual mantém uma relação fria.

Ao mesmo tempo, o Vaticano finaliza os preparativos para a grande missa de entronização na basílica de São Pedro na próxima terça-feira, dia de São José. As autoridades esperam a presença de um milhão de peregrinos em Roma para acompanhar este grande acontecimento, que será precedido no domingo pelo primeiro Angelus do Papa Francisco.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem